Selo GP ANO 37 - Nº 1889
Pará de Minas 21/10/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
Selo GP ANO 37 - Nº 1889
Pará de Minas 21/10/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e imparcialidade, desde 84

GENTE PENSANTE

14/01/2021 | Colunista
GENTE PENSANTE BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


O editor GP escreve mais uma crônica: Quando uma fala é muito verdadeira. Ela, além de doer muito, é indiscutível

VEJA NA EDIÇÃO 1849: NAS BANCAS DE 15/01 A 21/01. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1848 abaixo: 

RANCOR FAZ MAL MAIOR PARA QUEM O PRATICA OU PARA QUEM O RECEBE?

Quando propagam que cada pessoa é um ser único no universo inteiro, não se trata de mera especulação, pois trata-se da mais pura verdade. Não há no mundo um único ser igual ao outro. E olha que quando dizem isso estão se referindo à aparência física. Imagina, então, se se referisse ao gênio e às variadas reações que todos temos, diante de algum fato qualquer. Durante uma animada roda de samba, o homem de bela barba branca falou para os amigos reunidos em uma mesa regada à cerveja, cachaça, feijão tropeiro, torresmo gordo e caipirinha:

- O fulano é o capeta! Prefiro enfrentar um bandido armado com um revólver 38, com balas até na boca do que enfrentar aquela jararaca do papo amarelo.

O amigo de camiseta regata estranhou:

- Uai, vocês sempre foram tão amigos. O que aconteceu?

- Verdade! Sempre andamos juntos pra lá e pra cá, até que um dia eu e ele batemos boca, por causa de política e as questionáveis pesquisas eleitorais. Só podia ser, né? Ele estava falando sobre as qualidades do candidato dele e eu as, do meu. Ele falando que as pesquisas não erram e eu dizendo que nos Estados Unidos elas erraram feio. Coisa normal, só que a gente tinha bebido um pouco a mais e os ânimos se alteraram, tanto o meu, como o, dele. Foi pesado, eu sei! Mas eu pensei que, mais dia, menos dia, ele me ligaria, pedindo desculpas, e eu também pediria e tudo voltaria ao normal. Afinal, amigo de verdade é igualzinho à família, não é mesmo. A gente fala tudo, põe os cachorros pra fora, mas, depois, tudo volta ao normal... 

O homem de short azul escuro, quase que totalmente encoberto pela avolumada barriga, curioso demais, perguntou:

- Conta logo o que aconteceu depois entre a cascavel e a jararaca do papo amarelo! (risos).

O homem de barba branca explicou:

- Depois desse incidente, a gente ficou algumas semanas sem se encontrar por falta de oportunidade mesmo. Aí, um dia a gente se encontrou, por acaso, em um restaurante ao ar livre. Quando a minha mulher o avistou com a família me puxou para irmos até onde ele estava. Ao chegarmos lá, houve os abraços e beijinhos de sempre - até chegar a hora dele e eu nos cumprimentarmos. Fui, de coração aberto, para abraçá-lo, mas eles se afastou e me estendeu, friamente, a mão, com a cara mais amarrada do mundo. Dá pra vocês imaginarem a dor que ele provocou no meu peito? 

E você, também tem dificuldade de perdoar alguém, após algum desentendimento, ainda que sério? Uma boa leitura!

Mais da Gazeta

Exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

DOROTEU GOMES DE OLIVEIRA, 80

HISTÓRIA DE VIDA

ADORO O GP JORNAL

“Mais do que um jornal, a GAZETA é um amigo que aproxima as pessoas!”
ANDRÉ BORGES DE ANDRADE, cirurgião dentista.
Adoro o GP Jornal