Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

GENTE PENSANTE GENTE PENSANTE

       Bié Barbosa
GENTE PENSANTE 
BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


* VOCÊ ENCONTRA A GAZETA NAS SEGUINTES PADARIAS: BARIRI (São José), CAFÉ COM LEITE (São Luiz) e FRANÇA (rua Direita); * MERCEARIA DONA BENTA (São José) * NAS BANCAS: FELIPE (em frente à EE Governador Valadares); FRANCISCO (em frente ao Santander); LEONARDO (praça das “bolas”) * E POSTO STOP SHOP (avenida Ovídio de Abreu).

Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1928 abaixo: 

ENTRE A VIDA REAL E A QUE SE INVENTA

Bem nova ainda, 16 anos, aquela garota de cabelos roxos escondendo cabelos raspados por baixo já sabia que a sua sexualidade não era a tradicional, tipo papai e mamãe. Porém, nasceu em uma família, que apesar de jovem era das mais tradicionais, inclusive com conceitos retrógrados.

- Amarrada pelas falas familiares - era o que ela dizia que sentia às melhores amigas.

Um dia, porém, assistiu em sua escola um debate sobre sexualidade, com tema escolhido pelos próprios alunos. Os convidados para discorrer sobre o assunto eram uma psicóloga e um ginecologista. Durante o evento, choveram perguntas por escrito da jovem plateia, quase todos solicitando anonimato de seus nomes. A garota de cabelos roxos não enviou perguntas, mas chamava a atenção pela expressão de interesse em seu rosto, durante os 60 minutos do evento. Encerrado o aplaudido debate, ela esperou a plateia se dirigir para a cantina, de onde exalava um delicioso cheiro de galinhada. Quando o auditório se esvaziou, ela aproximou-se da psicóloga e foi direta ao ponto:

- Sou LGBTQQICAAPF2K.

A psicóloga sorriu e indagou:

- Boa noite, tudo bem? Arrumaram tantas letras para definir sexualidades que até eu me perco... Você sabe o significado de todas elas?

- Sei sim: L de lésbicas, G de gays, B de bissexuais, T de transexuais ou transgêneros, o 1º Q é de queer, o 2º, questionam, C de curioso, o 1º A é de

assexuados, o 2º, aliados, P de pansexuais/polissexuais, F de familiares, 2 de espíritos, K de kink e + de etecétera.

A psicóloga suspirou:

- Ufa! Nem eu sei mais onde me enquadrar (riso). E você, tão nova, já sabe o seu lugar?

- Sei sim, sou transexual, mas meus pais não me aceitam. Fingem que não me veem como eu realmente sou e eu estou sofrendo... (emoção).

A psicóloga pegou as duas mãos da garota e falou, calmamente:

- É como se você fosse um peixe preso ao anzol, não é? Mas chegará uma hora em que ele tirará o anzol e se libertará nas águas.

A menina disse tristonha:

- Não sei se conseguirei...

- Se você não conseguir será porque você optará por uma estrada sem sol, mas acho que com você não será assim.

A garota insistiu:

- Não é tão fácil assim.

- Tudo na vida passa! Sabia que as estrelas que vemos no céu hoje já passaram, porque nem existem mais? Um dia, tudo na vida passa. Até as estrelas... E lhe digo mais: a vida é aquilo que a gente inventa!

A estudante perguntou espantada:

- O que eu vou inventar, então?

- Ah, inventa que você é feliz!

E você, já descobriu como é simples ser feliz?

UMA BOA LEITURA!

* O fim do diálogo desta crônica foi baseado na música Nenhum de Nós, de Oswaldo Montenegro.



O editor GP escreve mais uma crônica: JÁ VIU ALGUÉM NASCER COM APELIDO? 


Mais da Gazeta