Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

GENTE PENSANTE GENTE PENSANTE

       Bié Barbosa
GENTE PENSANTE 
BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


COMPRE A GAZETA NAS BANCAS: * PADARIAS: BARIRI, CAFÉ COM LEITE e FRANÇA; * BANCAS: MARIA JOSÉ (EE Governador Valadares) e FRANCISCO (ao lado do Santander); * STOP SHOP, etc.. Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1886 abaixo: 

AS BALELAS QUE INVENTAM, NA ESPERANÇA DE FAZER O SER HUMANO MENOS INFELIZ

Naquela, impressionantemente, bem traçada capital, com espaços públicos tão bem planejados e de invejável urbanização, quatro amigos, intelectuais brasileiros, se encontraram e sentaram-se na mesa de um restaurante oriental, famoso por seus pratos saborosíssimos. Na verdade, japonês, com atendente falando em quatro idiomas - ainda que não fluentemente - para atender os turistas vindos de todas as partes do mundo. O homem com óculos de armação vermelha comentou, enquanto o prato de yakissoba com frutos do mar não chegava:

- Outro dia, durante uma palestra aqui, falei a adjetivo surdo e, imediatamente, uma pessoa da plateia esbravejou: Surdo não! Deficiente auditivo! Continuei ministrando a palestra e, a partir dali, na hora de citar a palavra surdo, passei a substituí-la por deficiente auditivo, mas sempre fazendo questão de lançar o meu olhar para aquela pessoa da plateia. Fazia isso, com a intenção de mostrar que eu estava fazendo uma deferência a ela, porque eu mesmo não concordava com a ideia dela...

Naquela mesa, uma mulher, usando belo cachecol, falou:

- Eu entendo o que você quer dizer. Já senti algo parecido ao citar, certa vez, a palavra velho. Fui diretamente corrigida, não por um, mas por vários velhos, todos de uma só vez: Velho não! 3ª idade! E teve uma que acrescentou: Melhor idade!

Um homem calvo ironizou:

- Morro de preguiça desse pessoal, que se diz socialmente correto, ficar escolhendo palavras bonitinhas, para esconder as nossas cruéis realidades. Eu, por exemplo, não sou calvo, sou careca mesmo (risos).

A mulher de toca multicores não deixou por menos:

- Acho a maior besteira ficar transformando preto em negro; cego, em deficiente visual; relação homossexual, em relação homoafetiva, aleijado, em deficiente físico, fora muitos outros adjetivos, além desses que vocês já citaram. Para mim, nenhum deles faz o menor sentido, porque não passam de hipocrisias...

O homem de óculos com aro vermelho retomou a palavra:

- Quero dar um depoimento pessoal sobre uma de todas essas balelas. Esse negócio de maquiar a velhice, por exemplo, trocando-a por outros adjetivos, não passam de grandes mentiras. Quem, como eu, tem plena consciência de já ser um velho, não cai nessas balelas que inventam, na esperança de fazer as pessoas menos infelizes. Mas não tem jeito, porque é horrível envelhecer. Podem ir se preparando, porque é péssimo mesmo! (Muitos risos).

O homem, antes calvo, agora careca, completou:

- Não me esqueço do que a minha mãe, já viúva, me disse ao completar 80 anos:  A velhice é dolorosa demais da conta, porque é quando o tempo do amor já passou...

E você, acha também que amor e velhice não andam de mãos dadas? 

BOA LEITURA!



O editor GP escreve mais uma crônica: A cantora Anitta, a visão patafufa e o empoderamento feminino


Mais da Gazeta