Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

GENTE PENSANTE 

GENTE PENSANTE

       Bié Barbosa


GENTE PENSANTE 
BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


COMPRE A GAZETA NAS BANCAS: * PADARIAS: BARIRI, CAFÉ COM LEITE (São Luiz) e FRANÇA (rua Direita); * BANCAS: MARIA JOSÉ (em frente à EE Governador Valadares) e FRANCISCO (ao lado do Santander); * STOP SHOP, etc..

Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1906 abaixo: 

VOCÊ SENTE-SE CULPADO POR ESSA DESUMANA DISTRIBUIÇÃO DE RENDA NO BRASIL?

Ao sair de uma exaustiva reunião, em que os dados mensais da companhia foram apresentados e eram negativos, dois dos sócios saíram dali com os olhos nos buracos. Daí a pouco, entraram no melhor self-service da cidade, sem trocar uma palavra. Foram ao banheiro, lavaram as mãos e se dirigiram ao buffet. Ali, higienizaram, novamente, as mãos com álcool gel, colocaram luvas de plástico e começaram a servir a cheirosa comida. O mais gordinho encheu o prato, com poucas hortaliças e muita massa e carne. Já o mais magrinho encheu o prato de hortaliças e um ou dois pedaços de peixe cozido. Passaram pela balança para pesar os pratos, que acusou, obviamente, preços muito bem diferentes. Um mais que o dobro do preço do outro. Sentaram-se à mesa e olharam para o aparelho de tv, onde o número de mortos com a tempestade de Petrópolis/RJ tinha quadruplicado. Após um certo silêncio, o magro derramou por cima de seu prato quase ¼ da garrafa de azeite extra e o gordinho questionou:

- Pra que tanto azeite, cara? Detesto azeite...

O outro riu e falou:

- Sigo o ensinamento do meu pai que dizia que com azeite a comida sai mais rápida (riso).

Um garçom tagarela aproximou-se deles e perguntou o que eles gostariam de beber. O gordinho pediu uma Coca 600ML e, ao ver que o magrinho nada pediu, questionou:

- Uai, você não bebe nada não?

- Durante as refeições não. Só bebo antes ou depois dela.

O gordinho, após levar à boca umas três ou quatro garfadas cheias, mastigando quase nada e engolindo rápido, falou:

- Os números da empresa apresentados hoje me tiraram do sério. Puxa vida, estamos no buraco! Fico comparando com os resultados da empresa, antes dessa pandemia. Lucro dez vezes maior que o prejuízo apresentado hoje.

O magro, que sequer havia levado a 1ª garfada à boca, ponderou:

- Se você ficar comparado com os lucros do passado, sofrerá ainda mais. Eu comparo a empresa com outros do mesmo setor, que estão em situação ainda mais grave que a nossa. Inclusive, duas delas já fecharam as portas. Nós sequer reduzimos o quadro de funcionários...

O gordinho retrucou:

- Eu admiro você nos comparar com os mais fodidos, mas eu só faço comparações com os que estão nadando em dinheiro, ganhando rios de dinheiro!

- Pois é... já eu gosto de pensar na massa pobre que sofre horrores, todo dia, como os nossos peões. A maioria deles não entende, sequer, o que está acontecendo com a economia do Brasil. Tenho compaixão por cada um deles e peço perdão, diariamente, por essa desumana divisão da renda brasileira, porque sinto-me culpado. Isso, sem falar na desumanidade com que muitos tratam esses nossos infelizes semelhantes desafortunados!

E você, consegue olhar um pouco além do que para o seu próprio umbigo?

UMA BOA LEITURA!



O editor GP escreve mais uma crônica: APESAR DA DIFICULDADE, É MUITO IMPORTANTE APRENDER A RESPEITAR O OUTRO COMO ELE É


Mais da Gazeta