Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

GENTE PENSANTE 
GENTE PENSANTE

       Bié Barbosa

GENTE PENSANTE 
BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


COMPRE A GAZETA NAS BANCAS: * PADARIAS: BARIRI, CAFÉ COM LEITE (São Luiz) e FRANÇA (rua Direita); * BANCAS: MARIA JOSÉ (em frente à EE Governador Valadares) e FRANCISCO (ao lado do Santander); * STOP SHOP, etc..

Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1918 abaixo: UM DIA, NATURALMENTE, A ARROGÂNCIA DÁ LUGAR À HUMILDADE

Desde quando aquele homem de 3ª idade era jovem já mostrava gênio forte, talvez empreendedor. Quando queria uma coisa, nem os pais conseguiam virar a cabeça dele. Quando ele adolesceu, então, a coisa ficou ainda mais grave. Tanto é que o pai, um dia, em plena festa de Natal, bradou com ele, no meio daquele monte de gente:

- Este garoto, se não mudar, vai sofrer demais! Por que a vida vai ensinar a ele, na rua, o que ele não quer aprender com os pais, dentro de casa.

O garoto deixou a mesa aos berros e a mãe saiu em defesa dele, censurando o marido:

- Parece até que você se esqueceu que um dia foi adolescente! A gente sofre tanto nessa idade, é tudo tão intenso!

Depois, virou-se para a mesa e falou para todos:

- Gente, peço desculpas por este momento de desunião na minha família, ainda mais assim, em pleno Natal, quando se comemora o nascimento de Cristo! Eu sinto muito!

Após, ela também deixou a sala de jantar e dirigiu-se para o quarto do filho. Depois de um certo tempo, ela retornou à ceia de Natal, trazendo de volta o filho que ostentava nos lábios um gigantesco bico de contrariado. Ao vê-lo emburrado daquele jeito, o pai não se controlou, deixando claro para todos que aquele filho, na verdade, era a cara do pai. Disse:

- Por mim, você teria passado a noite no quarto, com fome.

O filho enfureceu-se, novamente:

- Um dia, não vou depender de você pra nada, nada mesmo!

O bicudo pai respondeu:

- Nesta vida, todo mundo depende de alguém sempre. Aprenda isso também, cabeça dura: nenhum homem é uma ilha.

- Mas eu não vou precisar de você, nem de ninguém. Eu sou mais eu e me basto!

Mais de 50 anos depois daquela cena, aquele garoto, agora um senhor de 3ª idade, encontrava-se acamado, há mais de 2 anos, dependendo de enfermeiros, dia e noite, para tudo: para levantar-se, locomover-se, tomar banho, fazer as suas necessidades, ser barbeado, ter as fraldas geriátricas trocadas, levarem à sua boca uma xícara, um copo ou uma garfo, ter os cabelos penteados, os dentes escovados, etc.. À essa altura, o pai dele já não estava mais vivo para conferir a sua premonição. Certo dia, uma religiosa esteve, de manhã, naquele quarto cheirando à urina, fezes e morte, quando tentou passar, a pedido, a sua mensagem ao enfermo. Familiares informaram a ela que ele estava, cada vez mais, revoltado com as suas cuidadoras. A religiosa pegou a mão direita dele e disse-lhe com voz de algodão:

- Fulano, é preciso aprender a receber, permitir o amor do outro em nossas vidas. Abra o seu coração, respire profundamente e aceite ser ajudado. Depender de alguém é um dos mais belos exercícios de humildade que podemos exercer, nesta vida!

Aquele homem balbucionou apenas algumas palavras, em tom baixo e pausado:

- Não aguento mais... Quero morrer!

E você, já passou da idade em que a arrogância, naturalmente, dá lugar à humildade?

UMA BOA LEITURA!


O editor GP escreve mais uma crônica: FALANDO EM NOME DO POVO, QUE TERIA PEDIDO AJUDA OU ABERTO UMA DENÚNCIA?

Mais da Gazeta