Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

Crime da Vale destrói Brumadinho

O deputado estadual Inácio Franco participou da sanção da lei 23.291, de 2019, que institui a Política Estadual de Segurança de Barragens, que determina a erradicação das barragens construídas pelo método de alteamento à montante, em Minas Gerais. A nova lei é derivada do projeto de lei 3.676/16, de autoria da Comissão Extraordinária das Barragens, aprovado pela ALMG - Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em 22 de fevereiro de 2019. O requerimento foi aprovado em reunião da Comissão de Agropecuária e Agroindústria da ALMG, no dia 26 de fevereiro. A reportagem GP conversou com Inácio. Confira.

“Essa lei já havia sido discutida, há dois anos, mas as mineradoras brigaram e não deixaram aprovar. Porém, com essas tragédias (de Mariana/MG e Brumadinho/MG) tivemos que votar e o governador já sancionou, proibindo todas as barragens à montante, restringindo suas construções, em determinados lugares. Minas saiu na frente, já que em nenhum Estado existem regras definidas sobre essas barragens,” explica Inácio.

COMO ESTÁ BRUMADINHO? - “Recebemos na assembléia o prefeito de Brumadinho (Antônio Brandão), que contou que a economia do município acabou, uma vez que a Vale paralisou seus trabalhos lá, além de quatro outras mineradoras que foram fechadas pelo Ministério Público. Existem seiscentos caminhões transportadores de minério, contratados pela Vale e pelas outras mineradoras, que agora estão parados. Casas de peças pararam de vender, hotéis pararam de receber hóspedes e, consequentemente, o comércio do município paralisou. Até que tudo se adéqüe, os municípios que vivem de minérios vão sofrer, bem como o Estado e o país, porque a paralisação da Vale afeta a economia de Minas inteira.”

E OS PRODUTORES RURAIS? - Inácio Franco, que é vice-presidente da Comissão de Agropecuária e Agroindústria da assembleia, é autor de um requerimento que trata de encaminhamento de um ofício ao Banco do Brasil, para solicitar providências para prorrogar, por doze meses, o prazo do pagamento das dívidas dos produtores rurais atingidos pelos efeitos do desastre de Brumadinho, na bacia do rio Paraopeba, incluindo os de  Pará de Minas. Isso, porque o insumo subiu muito e o preço do suíno caiu, recentemente.

Mais da Gazeta