Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

Sus terá medicamento para tratamento da Ame

 O deputado federal Eduardo Barbosa participou da assinatura da portaria do Ministério da Saúde que incorpora o medicamento Nusinersen (Spinraza) na relação nacional de medicamentos essenciais do Sus - Sistema Único de Saúde. O remédio, que passará a ser distribuído gratuitamente, é indicado para pacientes com Ame - Amiotrofia Muscular Espinhal, uma doença genética neuromuscular rara, que afeta aproximadamente um em cada dez mil indivíduos. A enfermidade provoca fraqueza muscular progressiva e interfere na capacidade dos pacientes de caminhar, comer e respirar. Infelizmente, trata-se de uma doença degenerativa e não tem cura. O ministério comprará o medicamento na modalidade compartilhamento de risco, em que o governo só pagará pelo remédio, se houver melhora do paciente. O Spinraza é a primeira medicação incluída no Sus, pelo viés da nova modalidade. Atualmente, o tratamento por paciente custa R$ 1,3 milhão por ano. O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, lembrou que o fármaco chegou a custar até R$ 420 mil a ampola, mas que, com a incorporação, o custo pode cair para R$ 140 mil. A previsão é que o medicamento esteja disponível em centros especializados da rede pública, dentro de até cento e oitenta dias. Além do ministro da saúde, a assinatura do documento contou com as presenças do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e de diversos parlamentares, como o deputado patafufo, envolvidos com a causa.

Mais da Gazeta