Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

GRITO POPULAR

Entre outras queixas dos leitores GP leia “O padre Charley vai ser transferido da cidade?”

VEJA NA EDIÇÃO 1799: NAS BANCAS DE 17/01 A 23/01. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também outras queixas da edição anterior abaixo.

CERCO SOBRE FOFOQUEIRO VAI SE FECHANDO

“Eu estava assistindo a uma missa celebrada pelo querido padre Charley Marcelino, quando ele, durante a sua homilia, a exemplo do que a GAZETA também tem feito, criticou veemente a postura totalmente inadequada de um site de fofocas da cidade que tem publicado textos muito maldosos e infundados sobre os pará-minenses, causando muito dor nos fiéis de sua paróquia. Diante de mais essa, acho que já passou da hora das autoridades judiciais tomarem uma atitude mais firme contra essa pessoa sem caráter, que nunca assume o que posta, pois esconde-se, covardemente, no anonimato, ferindo famílias locais. E não é difícil não, já que todo mundo está careca de saber de quem se trata...”

NOTA DA REDAÇÃO – Contatado, veja o que disse o padre Charley.

“Na verdade, padre Adriano e eu fomos, por duas vezes, criticados por alguém que pega garupa nesse site, administrado por alguém que não conheço. No fundo, ele só expõe a opinião dos outros, mas sem compromisso de usar critérios éticos e sem se importar com a verdade, pois só quer gerar polêmicas que atraiam mais seguidores para sua conta no instagram. Mas ele apenas reproduz opiniões alheias e não se interessa se elas trazem constrangimentos às pessoas, que, insinuações postas, são facilmente identificadas socialmente. A via que ele usa é a sua rede social - canal veloz de propagação de assuntos diversos: relevantes e irrelevantes. As pessoas se impactaram com os conteúdos e algumas saíram em nossa defesa (padre Charley e Adriano) e outras ratificaram os comentários postados. Estamos no lugar público e, cada vez mais, sujeitos às opiniões favoráveis ou desfavoráveis. Eu mesmo tenho feito um trabalho pessoal para me blindar (preservar) dessas postagens e me intoxicar o menos possível dessas circunstâncias. O tempo se incumbe de diluí-las,” ressalta o padre que está muito acima dessa baixaria.

TRENZINHO DA TRISTEZA (2)

“Sobre o Giro Policial do Trenzinho da Alegria (edição 1797), gostaria de saber se é verdade que: * o chofer do Trenzinho da Alegria havia acabado de passar a direção do longo veículo para o assistente dele, que não tinha carteira de habilitação, já que estava cansado e queria descansar um pouco? * E que a multa dada a eles foi de R$2.900,00, o equivalente à arrecadação bruta do trenzinho, durante um dia inteiro de trabalho, quando havia muito movimento e venda de ingressos, em Pará de Minas?”

NOTA DA REDAÇÃO – Contatada, veja o que disse a Assessoria de Comunicação Institucional da PM - Polícia Militar.

“(...) Durante uma fiscalização de trânsito, na avenida Presidente Vargas, Providência, uma equipe da PM abordou o veículo conhecido como Trenzinho da Alegria, quando foram constatadas 3 irregularidades de trânsito: * o condutor do veículo, 41, era habilitado apenas nas categorias AB, sendo exigida habilitação na categoria E; * estava ao seu lado, o real condutor, 38, habilitado na categoria E, que admitiu ter passado a direção ao outro, mas não foi citada a alegação dele sobre o motivo de tal atitude; e * o veículo continha número de pessoas muito além da lotação máxima permitida. Foram aplicados três AIT - Autos de Infrações de Trânsito, de acordo com o CTB - Código de Trânsito Brasileiro, sendo duas gravíssimas e uma média, que têm seus valores estipulados pela legislação, não havendo nenhuma relação com a arrecadação do veículo em sua atividade, cujo valor a PM desconhece. Ambos foram presos: o condutor por causar perigo para a vida ou saúde de outrem e o autor, por entregar a direção à pessoa não habilitada,” esclarece a assessoria.

Mais da Gazeta