Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Eventos GP

265ª MOSTRA GP: CERÂMICA

Convidada para expor seus desenhos na 265ª Mostra GP, relativa aos meses de janeiro e fevereiro, a ceramista Léa Betônico Bernardes, 79, conversou com a reportagem GP sobre os seus trabalhos, que já estão expostos e abertos à visitação, na sede do GP Jornal, que fica na rua Alferes Esteves, 54, Centro. Veja.

“Eu faço uma série de coisas, todas ligadas à arte. Eu pinto e faço desenhos. Na escola de artes fiz todos os cursos que foram dados, há 20 anos. Único que não fiz foi o de serralheria, pois tenho pavor de cortar. Já fiz 3 exposições fora: em Ouro Preto/MG, Tiradentes/MG, e uma na assembléia legislativa, em Belo Horizonte. Uma das peças que expus em Tiradentes foi vendida para uma pessoa lá dos Estados Unidos e eu fiquei muito feliz,” conta Léa.

O INÍCIO E O AVC - “Tudo começou quando eu vim para Pará de Minas e conheci a escola de artes. Eu morava em BH e mexia mais com teatro, mas, desde sempre, me interesso por artes, em geral. Aí, liguei pra escola, a moça anotou o meu nome e disse que se alguém desistisse ela me chamaria. Tive sorte, pois houve uma desistência de imediato e eu comecei logo. Daí, fui fazendo todos os cursos e hoje sou muito amiga da Édna Morato, da Érica Gaede e dessa turma toda de artistas e professores. O Marcucci foi meu professor de pintura em tela. Hoje em dia, eu falo que eu estou reaprendendo tudo, pois tive um AVC que lesionou um pouco o meu lado esquerdo. Então, faço tudo só com a mão direita, mas é uma benção fazer artes. Faço também desenho de fotografia, pego fotografias pequenas e transformo em 30 x 40 e fica exatamente igual. Sou aposentada e faço arte por distração, amor e prazer. Gosto de fazer um pouco de tudo, diversificado, mas faço muito luminárias e São Francisco. Fiz também uma Sagrada Família linda, além de várias peças muito bonitas que doei para amigas. Arte para mim não dá trabalho, é só prazer, porque eu amo o que faço!” 

* Para adquirir alguma peça da Léa, entre em contato pelo 9 9144-3944.

Mais da Gazeta