Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias Prefeitura

DUAS ARMADILHAS DE COMBATE AO AEDES SÃO TESTADAS NA CIDADE

Desde outubro de 2019, Pará de Minas está sendo sede de um trabalho integrado de combate ao Aedes aegypti e que está sendo realizado na cidade pela prefeitura, em parceria com a Fundação Osvaldo Cruz e o governo do Estado de Minas Gerais, num laboratório de entomologia, que fica no CCZ – Centro de Controle de Zoonoses. Alguns profissionais estão desenvolvendo e analisando métodos de vigilância e controle do Aedes aegypti e Aedes albopictus, que transmitem dengue, zika e chikungunya. A reportagem GP conheceu o laboratório, onde conversou com o biólogo Fabrício Antônio de Almeida. Acompanhe.

“O objetivo do laboratório é medir a eficiência das armadilhas que estão instaladas aqui na cidade. Temos 2 tipos de armadilhas principais: * uma que tem um produto chamado piriproxifem a 75%, que é similar a um hormônio que faz com que a larva não chegue a um estágio adulto. Nessa, temos um fungo que faz o mosquito morrer em 7 dias. O mosquito vai até essa armadilha e se contamina com esse piriproxifem, pois ela não coloca os ovos somente em um depósito. Ela os põe em vários depósitos, se contamina ali e vai contaminando também os outros depósitos. * Temos também a dispersora, disseminadora, com o piriproxifem a 10%. Ela tem o mesmo objetivo da outra armadilha, pois o mosquito vai lá, se contamina e sai contaminando também os outros depósitos. Pará de Minas é pioneiro desse projeto e, dando certo, a tendência é que seja aplicado no Brasil todo. Nós trazemos para o laboratório as paletas com os ovos do Aedes aegypti, onde a gente eclode esses ovos e acompanha o desenvolvimento das larvas para medirmos se está funcionando ou não as armadilhas na cidade. Aqui, nós fazemos a identificação da espécie, se é o aegypti ou albopictus, e fazemos também a distinção do sexo dos mosquitos através das lupa. A diferença do aegypti para o albopictus é que o 1º é totalmente urbano e o segundo é semi-urbano e também da mata. Porém, ambos causam a mesma coisa e passam dengue, da mesma forma.”

Mais da Gazeta