Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Variadas

CORRUPÇÃO BRASILEIRA TEM O PIOR RESULDADO, DESDE 2012

O sonho de todo brasileiro, assim como do Sistema OSB – Observatório Social do Brasil, é de ver o país livre da corrupção. Mas, infelizmente, isso parece estar longe de acontecer, motivo pelo qual toda a sociedade precisa rever conceitos e se interessar mais pela política, no sentido de fazer valer o seu voto. O Brasil caiu uma posição no ranking mundial de percepção da corrupção, repetindo sua pior nota no estudo elaborado pela organização Transparência Internacional. O país teve o 5º recuo seguido, passando a ocupar a 106ª posição no IPC - Índice de Percepção da Corrupção, o que representa o pior resultado, desde 2012. Vale dizer que o Brasil vem caindo no ranking, desde 2014.Quanto melhor a posição no ranking, menos o país é considerado corrupto. A nota brasileira foi de 35 pontos, a mesma de Albânia, Argélia, Costa do Marfim, Egito, Macedônia e Mongólia. Já na comparação com os países da América do Sul, o Brasil está atrás de Uruguai, Chile e Argentina, e à frente de Bolívia, Paraguai e Venezuela. Os países que lideram as primeiras posições do ranking e, portanto, considerados os mais íntegros, com notas próximas de 100, são a Dinamarca, Nova Zelândia e Finlândia. E os países com notas mais próximas de zero, considerados como os mais corruptos, são: Síria, Sudão do Sul e Somália. O IPC pontua e classifica os países com base no quanto corrupto o setor público é percebido por executivos, investidores, acadêmicos e também pelos estudiosos da área da transparência. O índice analisa ítens, como propina, desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo e habilidade dos governos em conter a corrupção.

Mais da Gazeta