Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Coronavírus

ENQUANTO UNS CHORAM, OUTROS VENDEM LENÇOS

O Procon local, em parceria com a Comissão de Defesa do Consumidor da 18ª Subseção da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil informa à população de Pará de Minas que desde o dia 16 de março tem realizado fiscalizações nos estabelecimentos comerciais, com o objetivo de coibir e reprimir práticas comerciais abusivas. Temos recebido DENÚNCIAS contra farmácias, loja de maquiagem e empresa de produtos de limpeza, envolvendo suposto abuso nos preços da venda de álcool em gel e máscara. Em todos esses estabelecimentos foram apresentadas notas fiscais de compra dos produtos, com PREÇOS VARIANDO ENTRE DE 100% A 396%, desde o dia de constatação do 1º caso de coronavírus, no Brasil. Os denunciados justificaram que apenas repassaram o aumento por parte dos fabricantes ou importadores da matéria prima, o carbopol, especialmente no caso do álcool em gel, que está em falta no mercado. Segundo a Abihpec - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, o carbopol está em falta no mundo inteiro. Assim, com base nas informações coletadas nesse locais e nos princípios da boa-fé, não foi possível confirmar que as farmácias e demais estabelecimentos denunciados praticaram aumento abusivo de preços.  Esclarece, ainda, que o consumidor, ao formalizar a sua reclamação, deve, se possível, apresentar os elementos de prova do fato ocorrido, como, por exemplo, registro fotográfico do preço, nota ou cupom fiscal de compra, além do nome e endereço do estabelecimento comercial. Afinal, trata-se de CRIME contra a economia popular. Reafirma aos consumidores que o Procon continuará apurando todas as denúncias recebidas e recomenda aos consumidores realizarem, primeiramente, um contato inicial com o fornecedor, por meio de seus canais de atendimento ou registro de sua reclamação por meio do site www.consumidor.gov.br ou, ainda, que utilizarem os sites das agências reguladoras: Banco Central, Anatel, Aneel, Anvisa, etc.., como meios alternativos de contato e solução de suas demandas.

* Reclamações, dúvidas e consultas no Procon: e-mail procon@parademinas.mg.gov.br ou 3231-9292 e 3231-9226, em horário comercial.

Mais da Gazeta