Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Coronavírus

ABAIXO-ASSINADO PARA REABRIR COMÉRCIO

Cumprindo o que ficou definido na reunião dos lojistas, realizada no dia 2 de abril, representantes da Ascipam e da CDL – Câmara de Dirigentes Lojistas entregaram ao prefeito Elias Diniz o ofício que solicita a reabertura do comércio lojista de Pará de Minas a partir da próxima semana. O documento estava acompanhado de um abaixo-assinado em que o empresariado se compromete a normatizar o funcionamento de seus estabelecimentos dentro de rigorosas normas de higienização e vigilância, de modo a contribuir efetivamente com a prevenção da Covid-19. No momento da entrega do ofício os presidentes da Ascipam e CDL, José Misael de Almeida e Nílton Ferreira de Oliveira, reforçaram o apelo dos lojistas afirmando que eles não suportam mais as portas fechadas e o peso das contas a pagar. A questão dos empregos também foi evidenciada, porque a única maneira de segurar os funcionários será com a retomada do varejo, mesmo que seja com funcionamento especial nesse período. Os dirigentes das entidades classistas também acentuaram que o interesse de proteger a vida começa no próprio lojista, afinal ele precisa estar saudável e, ao mesmo tempo, garantir a saúde dos funcionários. Nessa sequência, claro, os cuidados com a clientela também serão prioritários, afinal o ambiente precisa estar alinhado. José Misael de Almeida disse que o empresariado sempre foi leal à sua vocação varejista e não seria diferente agora que a vida precisa de atenção especial. Segundo ele, o comércio é movido por pessoas vocacionadas e capazes de compreender a necessidade de conviver com medidas diferenciadas, mas também precisa sobreviver.Por sua vez, Nílton Ferreira foi incisivo ao relatar que as portas fechadas impedem até mesmo o recebimento de contas. Os clientes querem pagar e não têm como. Por isso, o caixa continua vazio e o risco de demissões em massa se torna cada vez maior. Depois de ouvir todos os apelos, o prefeito Elias Diniz pediu prazo até 2ª feira, 6para dar um posicionamento. Ele disse que compreende a situação desesperadora do varejo e, nesse fim de semana, vai estudar as reivindicações. Elias Diniz sinalizou a possibilidade de adotar flexibilidade dentro do decreto estadual em vigência, assim como de definir normas de atendimento aos clientes e outras medidas que viabilizem o retorno das atividades sem comprometer a mobilização preventiva à Covid-19.

Mais da Gazeta