Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Coronavírus

COMÉRCIO NÃO PODE ARCAR COM PREJUÍZOS

Depois de reivindicar à Federaminas - Federação das Associações Comerciais de Minas Gerais, a Ascipam recorreu também à Unecs - União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços, no sentido de restabelecer a atividade varejista em Pará de Minas. Fechado desde 21 de março, por força de decreto, o comércio não aguenta mais a situação desesperadora, tanto do ponto de vista financeiro como da manutenção dos empregos. E a Unecs acenou positivamente ao grito de socorro afirmando, em ofício encaminhado à Ascipam, que o varejo não pode arcar sozinho com os prejuízos. Segundo a entidade, serão necessárias medidas muito eficazes por parte do governo para evitar uma catástrofe no Brasil. Em defesa também do comércio nacional, a Unecs enviou manifesto ao governo federal afirmando que “todos precisam, igualmente, estar comprometidos com o equilíbrio da economia”. Não se pode fechar os olhos para a questão do varejo, impedido de faturar a quase um mês. A Unecs está confiante que o país conseguirá frear o coronavírus, mas pede ao governo que não se esqueça da economia, nem da sobrevida dos negócios brasileiros. E a responsabilidade disso, segundo o manifesto, não está apenas nas mãos dos empresários, mas também da sociedade e do presidente da República e sua equipe. 

Mais da Gazeta