Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Coronavírus

DENÚNCIAS DE POSSÍVEIS PRÁTICAS ABUSIVAS

Desde o início do enfrentamento da pandemia de coronavírus, a procuradoria geral do município, por meio do Procon, já recebeu 141 denúncias ou reclamações com foco na averiguação de preços de álcool em gel, máscaras de proteção, arroz, feijão, leite e outros itens que compõem a cesta básica, para verificar possíveis práticas abusivas de aumento injustificado de preços. Os estabelecimentos comerciais foram notificados a apresentar as notas fiscais de entrada e saída dos produtos, para que fosse feita a constatação dos preços praticados antes e depois da decretação da pandemia. De acordo com o coordenador do Procon, advogado Bruno Soares, até o momento, com relação ao álcool em gel e às máscaras de proteção, o aumento foi decorrente da falta desses produtos no mercado, que repercutiu no preço final ao consumidor. Com respeito aos produtos da cesta básica, apesar da variação dos preços de um estabelecimento para outro, foi constatado que os preços têm-se mantido dentro de uma linearidade e as diferenças até então apuradas não configuraram conduta abusiva prevista no Código de Defesa do Consumidor. O Procon continua vigilante a possíveis práticas abusivas. Os procedimentos de fiscalização e apuração dos dados coletados continuam. Segundo Bruno Soares, reclamações, dúvidas e consultas podem ser feitas pelo e-mail procon@parademinas.mg.gov.br ou pelos telefones 3231-9292, 3231-9226 ou 9 9984-7917, em horário comercial. Ele ressalta ainda que os consumidores podem ainda utilizar os sites das agências reguladoras, como o Banco Central, Anatel, Aneel ou Anvisa como meios alternativos de contato e solução de suas demandas.

Mais da Gazeta