Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias Variadas

CAMPANHA PUBLICITÁRIA QUESTIONADA

O OSB local - Observatório Social do Brasil enviou ofício à câmara questionando as particularidades da campanha publicitária de conscientização das medidas de prevenção contra a covid-19. O Legislativo investiu R$82 mil na criação de peças e veiculação das mesmas, com mensagens sobre a necessidade de mudança dos hábitos de higiene. Segundo o OSB, o investimento tão elevado não se fazia necessário, tendo em vista a larga abrangência do assunto pelos veículos de comunicação e pela própria prefeitura. A entidade ainda alegou que a população espera mesmo é que seus representantes exerçam as incumbências legalmente dispostas, de maneira a legislar e fiscalizar as ações do Executivo.A câmara reagiu, através de resposta assinada pelo presidente Marcílio Magela de Souza. Segundo o documento recém-chegado ao OSB, “a saúde é direito de todos e dever do Estado…”, por isso ao investir em campanhas ligadas à área, o Legislativo está contribuindo para a redução dos riscos à doença – neste caso, a covid-19. O OSB ainda questionou o elevado valor (R$14.600,00) pago na contratação de uma produtora de vídeo responsável pela criação de dois vts, para a campanha de prestação de contas do 1º semestre deste ano. O entendimento da entidade é que isso poderia ser feito de maneira simples, o que reduziria bastante os custos. Em resposta, a câmara alegou que essa campanha publicitária foi feita nos termos legais e o valor investido na produção dos vts foi 20% inferior ao que poderia ser gasto para tal finalidade. No ofício o presidente ainda afirmou que tal iniciativa não se constitui em simples prestação de contas, mas em matéria importante para a sociedade.

Mais da Gazeta