Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Variadas

CALOTES DE 800 A 3.600 REAIS EM 50 EMPRESÁRIOS LOCAIS

O hábito das empresas em quitar boa parte das despesas com boletos está facilitando a vida dos estelionatários. Aproveitando a popularidade desse meio de pagamento, cada vez mais, eles estão enviando guias falsas aos consumidores. Os golpes têm acontecido frequentemente no país e Pará de Minas não escapa desses prejuízos. De 2019 até agora, segundo levantamento feito junto às empresas lesadas e aos boletins de ocorrência, cerca de 50 empresários locais foram lesados. Felizmente, na maioria dos casos, os prejuízos foram inferiores a R$ 800,00. Mas em outras situações já houve calote nos boletos falsos de até R$ 3.500,00 e quando a empresa percebe o golpe já é tarde demais. Nos últimos dias, a Ascipam tem sido consultada por associados que receberam boletos falsos de diversas origens, em suas empresas. A recomendação dos especialistas é para que todos analisem bem o boleto recebido, seja por email ou pelos Correios. * E a inspeção deve começar pelo código do boleto bancário. Por trás daquele amontoado de números há uma lógica muito específica. Os 3 primeiros dígitos, por exemplo, indicam qual a instituição financeira ou o banco responsável pela cobrança, no mesmo padrão utilizado para transferências bancárias. * Em seguida, confira também o restante do código para checar a veracidade da cobrança. Os dígitos verificadores são uma espécie de algoritmo que calcula se o código é verdadeiro. * Importante ressaltar também que, mesmo que o código de barras pareça legítimo, é fundamental checar as informações mais básicas, antes de fazer o pagamento. Para começar, verifique os dados da fonte emissora: quem enviou o boleto, a quem está destinado o pagamento, de onde vem, etc.. * Vale ainda destacar que geralmente os boletos indicam a razão social da instituição e não o nome fantasia. Já os boletos falsos podem vir em nome da própria empresa. E * se as dúvidas persistirem, após a checagem, recorra a profissionais da área contábil, ao Procon ou mesmo à entidade de classe à qual sua empresa está filiada, como a Ascipam.

Mais da Gazeta