Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Giro Policial

NÃO RESPEITA, DE NOVO, É MULTADO E ALVARÁ É CASSADO

No último fim de semana, foi cassado o 1º alvará de bar em Pará de Minas, por causa de descumprimentos de regras, com relação À pandemia da covid-19. Fiscais da Vigilância Sanitária interditaram o bar Benzadeus, na rua Caxambú, São Luiz. A decisão dos fiscais foi tomada sob a justificativa de aglomeração dentro e fora do estabelecimento, onde a fila de pessoas aguardando acesso era enorme e muitas delas sem máscara. A equipe de fiscalização registrou a multa, no valor de R$ 850,00 e anunciou a suspensão temporária do alvará do bar. O dono do Benzadeus já havia recebido duas notificações anteriores pelo mesmo motivo. Nas últimas semanas, o bar também foi denunciado pela vizinhança, por causa da realização de um show musical ao vivo, contrariando as normas do decreto municipal em vigência. Porém, O dono do Benzadeus, Felipe Costa, garante que vinha cumprindo o decreto e contesta as alegações dos fiscais. Ele chegou a ser advertido por manter mesas com 8 pessoas, mas também rebateu dizendo que o decreto não especifica o número máximo de clientes que podem ocupar uma mesa. Quanto às pessoas que estavam do lado de fora ele disse que não pode se responsabilizar por elas, porque a rua é livre. Como se não bastasse, acusou os fiscais de exercerem poder abusivo, dizendo que vai recorrer judicialmente da decisão, na tentativa de retomar rapidamente o direito de continuar trabalhando em seu bar.

Mais da Gazeta