Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Prefeitura

TRABALHO DE FISCALIZAÇÃO CONTRA COMÉRCIO CLANDESTINO

A prefeitura, em parceria com a Ascipam e a PM tem feito um excelente trabalho de fiscalização contra o comércio clandestino. O comércio clandestino acontece por meio de pessoas que vendem produtos pela cidade, sem autorização e alvará expedido pela prefeitura, o que atrapalha o trabalho dos comerciantes locais. Os fiscais da prefeitura são quem notificam esses vendedores e, caso haja algum problema, acionam a PM. A reportagem GP conversou com o gerente de tributação e fiscalização da prefeitura, Valdeci Gonçalves Ferreira. Informe-se.

“Esse é um trabalho que não é fácil, pois a situação financeira é difícil pra todos, mas infelizmente temos que levar em conta a condição dos comerciantes de Pará de Minas, que tem seus impostos, seus gastos, e não podemos permitir que os ambulantes invadam a cidade sem a devida autorização. Com as placas contra o comércio clandestino que foram colocadas pela cidade, diminui bastante, pois eles não podem negar que não existe aviso e que não saibam, já que em toda entrada da cidade existe placa avisando sobre essa questão,” conta Valdeci.

COMO VOCÊS FAZEM? - “A gente chega até eles, nos apresentamos como fiscais, pedimos para ver o que eles estão comercializando e se têm alvará para isso. Se não tem alvará, vemos se é a 1ª vez que eles são notificados e, caso seja, damos a chance de que eles peguem os produtos e voltem para a cidade de onde são. Caso não seja a 1ª vez, acionamos a PM, e já faz a apreensão do material. Nós fiscais não temos condição de abordar essas pessoas, que vem de outras cidades e são difíceis de lidar, por isso é necessário o apoio da PM.”

OBJETOS E MULTA - “Encontramos de tudo, mas a pior situação é quando são alimentos sem procedimentos, sem cuidado nenhum, sem conservação. Há pouco tempo ouve uma situação desagradável próximo a Ascipam, de um vendedor de perfume que veio de Betim/MG, que praticamente agrediu um senhor mais de idade, que não quis adquirir dele esses perfumes, totalmente falsificados, de qualidade péssima. A multa é feita através de lote e cada lote tem seu respectivo valor. Digamos que cada lote varia em torno de R$ 300,00. 1 lote significa um produto.”

* Para denunciar o comércio clandestino pode entrar em contato pelo telefone da prefeitura, 3233-5656 ou através da Ascipam, no 3232-9800.

Mais da Gazeta