Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Eventos GP

PATRÍCIA MELO NA MOSTRA GP

Convidada para expor suas peças de biscuit na 266ª Mostra GP, a última deste ano, relativa aos meses de novembro e dezembro, a artesã Patrícia Melo Vieira, 33, conversou com a reportagem GP sobre os seus trabalhos. Por sinal, eles já estão expostos e abertos à visitação, na sede do GP Jornal, na rua Alferes Esteves, 54, Centro. Veja.

“Esse amor pelo biscuit nasceu de uma forma inesperada. Há 6 anos, eu trabalhava no comércio, em uma loja de eletrodomésticos, quando me engravidei e tive minha 1ª filha, Alicia. Naquele momento, decidi parar de trabalhar para me dedicar a ela e foi nesse período novo que uma amiga, também artesã, me apresentou o biscuit. Ela trabalhava com patchwork e havia comprado alguns materiais para fazer biscuit, mas não se adaptou com a arte e me perguntou se eu queria ficar com esses materiais para desenvolver algum trabalho e ocupar o meu tempo. Eu não conhecia nada de biscuit, nem sabia o que era, mas aceitei os materiais. Afinal de contas, não estava me custando nada (riso). Quando cheguei em casa, fui pesquisar na internet e fiquei encantada com todas as opções que eu poderia fazer com aquela massinha de modelar. Aí, o interesse surgiu e foi só crescendo. A partir do momento em que fiz minhas 1ªs peças e as pessoas começaram a gostar e fazer encomendas, fui percebendo que tinha habilidades para o artesanato. Não fiz nenhum curso, fui aprendendo aos poucos, por meio de vídeos na internet e fui aprimorando as minhas habilidades, vendo minhas peças, por meio das minhas páginas nas redes sociais e das indicações, quando as pessoas conhecem meu trabalho e entram em contado comigo. Tem um retorno super positivo, principalmente os bonecos personalizados e as velas de aniversário, que ficam lindas no topo do bolo e chamam a atenção de todos. Não diria que é difícil fazer, mas é algo delicado e que precisa de algumas técnicas, porque tem muitos detalhes. Algumas peças são mais rápidas, como os bonecos. Outras, como lembrancinhas e enfeites  para festa são mais demorados, devido a quantidade. O que mais amo fazer são os personalizados, pois é muito gostoso receber uma foto de alguém, reproduzí-la em um boneco e a pessoa receber aquele presente e se reconhecer, por meio da minha arte. As mães ficam super felizes ao ver o bonequinho do filho com o vestido ou a roupinha que ele vai usar na festinha de 1 ano, com o cabelinho e os olhos iguais ao dele, com detalhes que combinam com a decoração da festa. É lindo e eu amo faço tudo com muito carinho,” afirma Patrícia.

* Mais detalhes no instagram@patriciamelloy_artebiscuit. 

Mais da Gazeta