Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

GRITO POPULAR


Entre outras queixas dos leitores GP leia: Mesas e banquinhos no Bariri

VEJA NA EDIÇÃO 1854: NAS BANCAS DE 19/02 A 25/02. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também outras queixas da edição anterior abaixo.

MUSEU PERDE A SUA MAIOR RELÍQUIA (3)

“Li na GAZETA, na edição GP 1848, página 8, que a Ana Campos ficou os 4 primeiros anos da administração do Elias, pois ele havia solicitado a ela, que já estava aposentada, para não sair. Ela aceitou o desafio, mas agora, no início da mesma administração, ela não quis mais ficar. Acontece que fiquei sabendo dentro da prefeitura que a secretária de educação Marluce teria chegado perto dela e dito que, infelizmente, ela não poderia mais continuar, e que a Ana, assustadíssima, respondeu que eles não poderiam fazer isso com ela, pois ela (Ana) é filha do Museu. Entretanto, a Marluce não deu ouvidos e cumpriu a ordem passada a ela pelo prefeito. Como nos corredores da prefeitura há muito diz-que-me-disse, gostaria que a nossa GAZETA descobrisse se isso tem algum fundamento. Afinal, a Ana Maria pediu demissão ou foi mandada embora?”

NOTAS DA REDAÇÃO - * Contatada, veja o que disse a secretária de educação Marluce de Souza Pinto Coelho.

“A secretaria de educação esclarece que os cargos de direção das escolas e centros municipais de educação infantil são de livre nomeação e exoneração, podendo ser exercidos por servidores públicos efetivos, aprovados em concurso público, ou por nomeados, na forma da lei.  Como ocorrem em todos os fins de gestões, no dia 31 de dezembro, todos os ocupantes dos chamados cargos de confiança são exonerados, de acordo com o que determina a legislação. É normal que alguns sejam substituídos, na nova gestão que se inicia. Muitas vezes, essa substituição ocorre, inclusive, em decorrência de pedido do seu próprio ocupante, a qualquer tempo. Seguindo esse processo habitual, algumas unidades de ensino deverão ter alterações na direção. É importante ressaltar que o provimento desses cargos será feito por pessoas de comprovada idoneidade, qualificação e experiência, que atenderão a todos os requisitos do cargo,” desfoca Marluce.

* Porém, a reportagem GP não pode perder o foco e entrou em contato diretamente com a ex-diretora do museu local, Ana Campos, que, desta vez, informou que o seu desligamento da gerência do museu aconteceu sob um clima de naturalidade, compreensão e respeito mútuo. Ela contabiliza 43 anos de prefeitura, sendo 33 de dedicação exclusiva à cultura de Pará de Minas. Já aposentada, a sua permanência foi renovada, por meio de um convite do atual prefeito, em seu 1° mandato, para continuar à frente do museu, naqueles 4 anos. Nesse período, ela disse que usou todo o seu conhecimento, profissionalismo e experiência em favor do fortalecimento da instituição. Disse ainda que continua a se dedicar com afinco e amor à memória de Pará de Minas e que estará sempre pronta a colaborar com o museu. Entretanto, não reafirmou se foi ela quem pediu o desligamento desse 2º mandato de Elias ou se a iniciativa partiu do próprio prefeito, como deseja saber o leitor(a)...


Mais da Gazeta