Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Variadas

O PATAMAR RUIM DA CORRUPÇÃO BRASILEIRA CONTINUA

O sonho de milhões de brasileiros, de ver a corrupção bem longe do país, ainda não aconteceu e, pelo visto, teremos que aguardar um bom tempo para a situação mudar. É que o Brasil, lamentavelmente, continua estagnado no IPC 2020 - Índice de Percepção da Corrupção. Considerado o principal indicador de corrupção do mundo, o índice é produzido, desde 1995, pela Transparência Internacional, avaliando 180 países e territórios. As notas são atribuídas em uma escala de zero (quando o país é percebido como altamente corrupto) e 100 (quando é muito íntegro). O IPC é a referência mais utilizada no mundo por tomadores de decisão dos setores público e privado, para avaliação de riscos e planejamento de suas ações. O Brasil obteve 35 pontos em 2019 e 38 pontos em 2020. Considerando a margem de erro da pesquisa, que é de 4% para mais ou para menos, a percepção da corrupção no país permanece estagnada em um patamar muito ruim. Considerando o ranking dos 180 países avaliados, caímos para a 94ª posição. Esses dados mostram que a luta contra a corrupção, que foi bandeira de boa parte da classe política eleita nos últimos anos, não se transformou em medidas concretas de enfrentamento do problema. Nenhuma agenda efetiva de reformas anticorrupção foi apoiada pelo governo e aprovada pelo Congresso. Ao contrário, ocorreram graves retrocessos institucionais. Em 2020, com a pandemia do coronavírus, as atenções se voltaram para o enfrentamento da crise sem precedentes. E com a necessidade real de responder urgentemente às necessidades da sociedade, os riscos de corrupção também aumentaram. No mundo inteiro, foram inúmeros os casos de corrupção, mostrando perversas consequências em meio à terrível crise humanitária.


Mais da Gazeta