Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Variadas

VERBA INDENIZATÓRIA DESPENCOU MUITO ANTES DESSE BAFAFÁ TODO


Em seus constantes monitoramentos sobre os gastos públicos da prefeitura e da câmara, o OSB local - Observatório Social do Brasil acaba de levantar um dado importante sobre a Verba Indenizatória, paga pelo Legislativo aos vereadores. O recurso, legalizado por meio de projeto aprovado na Casa, dá a cada um dos 17 vereadores o direito de utilizar até R$ 1.041,00 mensais, a título de cobertura das despesas inerentes ao exercício da atividade. Ocorre que, na medida em que a opinião pública e novos vereadores ampliam as manifestações contrárias a esse pagamento, o uso da Verba Indenizatória vem só despencando e a comparação do exercício passado com o atual mostra isso claramente. Veja o levamento feito pela reportagem GP, por meio do OSB.

* Nos 2 primeiros meses de 2017, 14 dos 17 vereadores fizeram uso do recurso. Em janeiro daquele ano, o gasto total chegou a R$ 15.786,91. * Em fevereiro, o valor aumentou para R$ 17.083,46. Portanto, o total do bimestre foi de R$ 32.870,37. * Em 2021, durante o 1° bimestre, somente 3 dos 17 vereadores utilizaram a Verba Indenizatória. No mês de janeiro, os gastos totais foram de R$ 1.787,07, enquanto em fevereiro chegaram a R$ 2.379,42. Somando-se os valores dos 2 meses, o gasto foi de R$ 4.166,49. A diferença dos bimestres de 2017 e o 1º bimestre 2021 foi de R$ 28.703,88. A análise desses dados é importante neste momento, já que está tramitando na câmara um projeto de lei propondo a extinção do benefício.


Mais da Gazeta