Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias Variadas

DOAÇÃO DE SANGUE NÃO PARA NAS ONDAS ROXA E VERMELHA

Desde o início da pandemia de covid-19, os hemocentros têm enfrentado dificuldades para manter os estoques de sangue. E, nos últimos tempos, com o agravamento da crise e a entrada do estado na Onda Vermelha e, posteriormente, na Onda Roxa, a situação se intensificou. A reportagem GP conversou com a responsável pelo setor de captação de doadores do HNSC, Fabíola Nogueira. Veja.

“Nós temos no hospital diversos pacientes que demandam transfusão de sangue ou do hemocomponente. E para que eu consiga ajudá-los, nós precisamos dos doadores. Todos os setores dentro de um hospital demandam transfusão de sangue. Então, é muito importante que a população continue participativa, que os familiares façam a reposição nos números que são solicitados, para que a gente consiga continuar nesta corrente do bem, um ajudando o outro. A Fundação Hemominas segue todos os protocolos de segurança estabelecidos pela Onda Roxa, para preservar a segurança e integridade desses doadores e dos colaboradores da Instituição. Desde que surgiu a pandemia, o Hemominas está muito firme nas questões de segurança, exposição e higienização. Já era muito bem organizado, mas ficou mais ainda e eles seguem à risca todos os protocolos. Então fiz esse trabalho de conscientização com nossos doadores para passar segurança a eles,” conclui Fabiola.


Mais da Gazeta