Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1919
Pará de Minas 27/05/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

INFLUENCIADOR DIGITAL VAI MUITO ALÉM DO SEU BORDÃO SEXTOOOU BB

exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

MARIA DE JESUS CORNÉLIO, 85

exclusivo

enquete gp

TATUAGENS: A FAVOR OU CONTRA?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA é tradicional em informar sempre com qualidade.”
LÍVIA VIEIRA GUIMARÃES ALMEIDA, bancária.

Notícias Variadas

A VERBA INDENIZATÓRIA, POR SI, JÁ SERIA EXTINTA

Como já divulgado pelo GP Jornal, o projeto de extinção da Verba Indenizatória na câmara municipal foi aprovado por 11 x 5 votos, entrando em vigor, a partir do mês que vem, quando nenhum vereador poderá utilizar mais o recurso. Porém, é bom que se repita que, desde a legislatura passada, o OSB local - Observatório Social do Brasil vem monitorando os gastos dessa verba. Portanto, tratava-se de uma lei, naturalmente, em extinção, por conta própria. Quando esse recurso era utilizado por 15 dos 17 vereadores, ele não chegava a 120 mil reais por ano. Com o passar do tempo, com os eleitores manifestando insatisfação com a existência dessa lei, ela foi, gradativamente, diminuindo, até chegar a apenas 3 vereadores que, realmente, não abriram mão dela, por ser de direito. Eram eles: Marcílio, Niltinho e Carlinhos do Queijo. Por coincidência, do início do atual mandato até agora, novamente apenas 3 vereadores faziam uso da referida verba: Marcílio, Niltinho e Dilé.  Porém, apesar do desnecessário carnaval político feito sobre a votação, o atual corpo de edis da câmara agiu, acertadamente, ao extinguir tal benefício, uma vez que a nova lei gerou satisfação na população local.


Mais da Gazeta