Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias Variadas

PACIENTE CONTAMINADO MENOS DISTANTE DA FAMÍLIA


Até agora, nos hospitais, pacientes com covid ficam isolados e internados em uma ala restrita, onde têm contato apenas com os profissionais que atuam na linha de frente de combate ao vírus. Para evitar contaminações, visitas não são permitidas, aumentando a saudade dos familiares e amigos, sem falar na sensação de solidão. Pensando nisso, o HNSC desenvolveu um novo projeto para diminuir essa distância, já que muitos pacientes ficam internados durante semanas. Portanto, a partir agora os pacientes estão podendo fazer videochamadas, para ver e conversar com a família e amigos. Ao ser comunicada sobre a tão boa nova do HNSC, a reportagem GP conversou com a supervisora do setor de serviço social, Celina Navarro Grassi. Veja.

“É uma demanda que vinha se arrastando, desde o início da pandemia e agora conseguimos um celular para fazer essas videochamadas. Mas não é para todos os pacientes. Há um estudo de cada caso antes, para sabermos se o paciente quer ou consegue fazer a videochamada. Quando o paciente não tem condições, nós solicitamos às famílias que enviem áudios, para o paciente escutar. Acredito que isso também é muito reconfortante, tanto para a família que está longe e não o está vendo, quanto para o paciente que escuta as vozes de seus familiares. Alguns se emocionam muito e é bem bacana. Quando a gente faz a chamada de vídeo, as famílias ficam muito satisfeitas também. Na ligação do dia seguinte, sempre vêm os elogios. Fora isso, temos também uma assistente social que liga para os famíliares, para saber como elas estão passando esse momento, se estão recebendo as devidas informações e se estão tendo alguma dúvida ou se há uma ou outra pendência, para que, assim, possamos ajudar, de alguma maneira,” avalia Celina.


Mais da Gazeta