Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Variadas

MONITORAMENTO DAS LICITAÇÕES DAS OBRAS DA VALE


Como já se sabe, Pará de Minas foi uma das cidades afetadas pelo rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale, em Brumadinho/MG, em janeiro de 2019 que, por sua vez, poluiu o rio Paraopeba, interrompendo o abastecimento de água a residências e propriedades rurais. O desabastecimento do Paraopeba forçou a construção de nova adutora, interligando o rio Pará à Subestação de Tratamento da Águas de Pará de Minas. Parte dessa obra passou pela comunidade de Meireles, onde foram instalados canteiros de obras de empreiteiras contratadas pela Vale. Desde então, liderados pelo empresário Rodrigo Campos, que possui uma propriedade no local, os moradores de Meireles vêm lutando pelo ressarcimento dos danos. O 1º acordo já saiu, com a destinação de R$ 1 milhão para obras pleiteadas pela comunidade, conforme já noticiado na edição GP 1863. Assim, eles elegeram como prioridades: *  reforma da Escola Municipal Marechal Deodoro (R$ 550 mil), * reforma do Posto de Saúde, * aquisição do mobiliário (R$ 200 mil), * reforma da praça da comunidade e implantação de uma estrutura para a Feira de Produtos Artesanais (R$ 150 mil) e * a construção do velório municipal (R$ 100 mil). Segundo o acordo, a Vale já vai iniciar os depósitos, para proporcionar a execução das obras. O ofício dos moradores solicita ao Ministério Público a criação de instrumentos formais e legais para garantir que os valores do acordo sejam creditados em conta específica e que sejam, efetiva e integralmente, aplicados em Meireles, sem desvios de destinação e finalidade, com absoluta transparência nos processos. A novidae agora é que o OSB local - Observatório Social do Brasil foi convidado pelos moradores do povoado de Meireles a dar apoio técnico nos processos de licitação, execução e controle das obras que serão executadas na comunidade com 1/10 do recurso proveniente da multa (R$10 milhões), pelo atraso na entrega da adutora do rio Pará, pela Vale. 


Mais da Gazeta