Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias

GRITO POPULAR


VEJA NA EDIÇÃO 1867: NAS BANCAS DE 21/05 A 27/05. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também outras queixas da edição anterior abaixo.

COMO SEGURAR EM CASA ESSE BANDO DE IDOSOS?

“Sou motorista de ônibus na cidade e não só eu, mas todos os meus amigos e companheiros, que trabalham como motoristas, estamos indignados, porque há muitos idosos pegando os nossos lotações, gratuitamente, porque são da 3ª idade, na mesma linha, de 3 a 6 vezes por dia. Queria entender o que eles estão fazendo, todo dia, no Centro da cidade, esse monte de vezes, e em plena pandemia. Será que eles, realmente, têm que resolver tantas coisas assim, todo dia? Ou estão eufóricos, porque tomaram a 2ª vacina? Se eles tivessem que pagar a passagem, aposto que não iriam tantas vezes assim ao Centro. Tem uns que pegam em um ponto e já descem no outro e ainda fazem chacota com a gente, que não pode fazer nada. Desculpe o desabafo, mas gostaria que a GAZETA publicasse, para as autoridades tomarem conhecimento e fiscalizar esse tipo de coisa, porque estamos achando um desaforo. Será que não tem um jeito de segurar esses idosos em casa, como era antes da vacinação?”

NOTA DA REDAÇÃO - Contatada, veja o que disse a Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

“Seguindo os protocolos sanitários, para conter o avanço da pandemia, a prefeitura recomenda o distanciamento social, o uso de máscara e a higienização das mãos com álcool em gel. No atual contexto, é necessário que as pessoas evitem circular, sem necessidade. Afinal, a prefeitura não tem condições de fiscalizar e nem de proibir a circulação de idosos na cidade. É importante que todos façam a sua parte e se conscientizem sobre os riscos da contaminação e a importância das medidas de prevenção da covid-19,” ressalta a assessoria.

POR QUE NÃO RETORNAM COM AS CRECHES?

“Agora que, finalmente, a cidade saiu da Onda Roxa para a, Vermelha, acho que é o momento da prefeitura retornar com o funcionamento das creches em Pará de Minas, seguindo o exemplo da capital, onde a educação infantil já está retornando. Quem sabe um retorno com as atividades remotas, para os que podem, e presencial, para 1/3 das crianças? Isso já seria um grande passo! Como eu, muitos pais precisam sair de casa, para trabalhar e não têm com quem deixar os seus filhos. Não podemos perder os nossos empregos. Chega de desemprego. Isso, sem falar nos casos de muitas mães solteiras, onde as responsabilidades e preocupações são ainda maiores. Acredito que com o devido uso de máscara, avental, luvas e número reduzido de crianças, não correremos tanto risco assim. Dessa forma, não será tão difícil manter os cuidados e o distanciamento. No mais, já é sabido que as crianças respeitam mais as regras de prevenção do que os próprios adultos, com suas festas e farras clandestinas. Estamos há mais de um ano com a educação infantil no ensino remoto e isso está afetando um número muito grande de pessoas...”

NOTA DA REDAÇÃO - Contatada, veja o que disse a Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

“O início do retorno às aulas presenciais depende de autorização do governo de Estado. O Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19 em Pará de Minas já aprovou o protocolo de retorno às aulas presenciais e, agora, aguarda o decreto estadual, regulamentando o recomeço dessas atividades,” informa a assessoria.


Entre outras queixas dos leitores GP leia: Grutinha enfeitada arranca elogios


Mais da Gazeta