Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

Notícias Deputados

GOVERNADOR QUER ÔNIBUS POR APLICATIVO, MAS DEPUTADOS PODEM ACHAR INJUSTO

No dia 31 de agosto, na reunião ordinária do plenário, realizada na A L M G - Assembleia Legislativa de Minas Gerais, foi aprovado em 2° turno o P L - Projeto de Lei 1.155/15, do deputado Alencar da Silveira Júnior. (PDT), que regulamenta o transporte fretado de passageiros no Estado. As mudanças promovidas pelo P L têm impacto direto sobre o chamado fretamento colaborativo, viabilizado por aplicativos, como o, da empresa Buser, que comercializa passagens mais baratas que as das empresas de ônibus convencionais. Acontece que no dia 24 de setembro, o governador mineiro, Romeu Zema, vetou parcialmente trechos do projeto. Em suas redes sociais, Zema disse que o P L será vetado para garantir aos mineiros o direito de escolher o serviço de transporte rodoviário intermunicipal que melhor lhe convêm. Para saber mais, a reportagem GP conversou com o deputado estadual local, Inácio Franco. Veja.

“Esse projeto não quer acabar com os ônibus por aplicativo, mas, sim, regulamentar esse transporte. O que acontece é que esse transporte acaba com o transporte regular. Aqui no nosso município, por exemplo, teve um deputado que usou a tribuna e fez comparativo com cada município, citando Pará de Minas. Pelas falas dele, o valor cobrado pela Buser é de 30% a menos que o valor do transporte regular. Então, suponhamos que aqui no nosso município, uma passagem de Pará de Minas para Belo Horizonte fosse R$ 10,00. Pelo Buser, seria cobrado R$ 7,00. Esse projeto passou na assembleia, derrubou a maneira como está sendo cobrado, atualmente, e estava nas mãos do governador, que poderia ou não vetar. Como foi vetado, ele volta para a assembleia, que pode derrubar novamente o veto dele."

EXPLIQUE MELHOR - Temos em Pará de Minas a empresa Santa Maria, que faz o transporte regular de Pará de Minas para Belo Horizonte, que tem seus horários de saída, já o Buser não. Se a Santa Maria tem um horário para sair às 10H, ela tem que sair, ainda que sem nenhum passageiro. Já o Buser cobra 30% a menos, mas só sai quando enche o ônibus. A diferença está aí. Se fica o Buser na rodoviária esperando encher o ônibus para sair, o transporte regular, que tem que sair no horário certo, sai sem passageiro nenhum e tem que cumprir seu horário. É um projeto polêmico.”


Mais da Gazeta