Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias Prefeitura

PROFISSIONAIS DA SAÚDE LOCAL VISITAM COMUNIDADES DO RJ

A enfermeira Ana Clara Teles Meytre, referência técnica da secretaria de saúde e dois profissionais do Sad - Serviço de Atenção Domiciliar de Pará de Minas, o médico Bernardo Tito, e a enfermeira Elisiane Marques, foram convidados para conhecer o projeto Comunidade Compassiva, implantado nas comunidades da Rocinha e do Vidigal, no Rio de janeiro. A iniciativa é reconhecida pelo importante trabalho de cuidados paliativos que oportuniza aos moradores dos dois locais. O convite foi feito pelo professor Alexandre Ernesto, que atua no U F S J - Universidade Federal de São João Del Rey e que conhece o trabalho prestado pelo Sad em Pará de Minas. Ana Clara Teles Meytre, Bernardo Tito e Elisiane Marques falaram sobre a experiência, a importância dos cuidados paliativos dentro do conceito dos serviços humanizados de saúde e os projetos da secretaria na área. Cabe ressaltar que em Pará de Minas, graças ao Sad, pacientes acamados, domiciliados, ou cujo atendimento é mais indicado ser feito em suas próprias residências, recebem cuidados especializados da equipe, em casa, incluindo os paliativos. Durante as visitas domiciliares, são prestados atendimentos complementares aos realizados nas unidades básicas de saúde, nos serviços de urgência e nos hospitais. A equipe também orienta e capacita os familiares dos pacientes para que eles possam atuar nos cuidados necessários em casa, como na preparação de dietas, na medicação e no manuseio de equipamentos. O resultado dessa atenção especial é contabilizado na redução da demanda por atendimento hospitalar, na redução dos riscos de infecção hospitalar e na humanização da atenção à saúde.


Mais da Gazeta