Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Eventos GP

272ª MOSTRA GP: M D F

A paulista Daiane da Silva Souza, 32, residente em Pará de Minas, filha de Anedi Pereira da Silva e José Milton Pereira de Souza, foi a convidada para expor na 272ª Mostra GP, a última de 2021, referente aos meses de novembro e dezembro. Ela cria belas peças em M D F - em português, F M D: placa de fibra de média densidade - que já estão na sede da GAZETA, na rua Alferes Esteves, 54, Centro. Veja agora o que essa artista disse à reportagem GP. Acompanhe.

“* Desde que eu me entendo por gente, faço arte. Desenho roupas, desde os sete anos, quando dizia que queria ser estilista. * A arte específica que eu faço hoje, artesanato e desenho em parede, eu comecei durante a pandemia, quando fui demitida do meu trabalho e precisava de um recurso para ter uma renda. Aí, com ajuda da minha namorada, que me incentivou e deu ideias, eu comecei a pensar que conseguiria pintar, criar caixinhas em M D F. Para tanto, assisti alguns vídeos no youtube, vendi muitas caixinhas para o Dia dos Namorados e tomei gosto por esse outro tipo de arte. Além disso, faço profis de moda, que são a minha paixão, além de desenhos em paredes, caricaturas e desenhos. * A pessoa que mais me inspira no ramo da arte é o meu irmão mais velho, que é designer gráfico e extremamente perfeccionista nas coisas que faz: arte manual. Então, desde pequena eu sempre observava os desenhos dele, para tentar aprender com ele. * Com relação aos outros tipos de arte que faço, me inspiro muito nas criadoras de moda, por meio de filmes. * Um dos meus pintores favoritos é o Van Gogh, até porque aprendi a gostar da história dele: sua pintura e expressão. * Eu convivo com poucas pessoas, mas as poucas, que estão perto de mim, principalmente minha namorada e minha irmã mais nova são as pessoas que mais me incentivam a fazer arte, me colocando pra frente. * As minhas peças artesanais, caixinhas em M D F, quando comecei a vender, já vendia em, praticamente, toda Pará de Minas, sendo que hoje vendo algumas na região. * Meu principal objetivo com a arte ainda é a arte do designer de moda, que é algo que estou pós-graduando, para investir nisso. Entretanto, quero continuar fazendo meus artesanatos, porque gosto de fazer e criar. * Minha mente é extremamente criativa e, às vezes, até me atrapalha, pois penso demais. * A pandemia, apesar de ter sido um mal para o mundo, foi um momento que me reergueu, pois, até então, eu trabalhava como recepcionista de um hotel, e foi num momento de crise, quando fui demitida, que eu foquei novamente na arte * A arte é a minha vida e eu vivo como artista, porque é o que eu faço, apesar de não ser tão valorizada como ela deveria ser. Infelizmente, o que a gente cria, manualmente, tem sido, hoje em dia, substituído por tecnologia. Então, fica difícil viver só disso; por isso a considero apenas como uma renda extra. * O que é mais gratificante para mim é quando vendo algum trabalho e vejo que aquilo causa na vida nas pessoas que compram,” avalia Daiane.

* Veja mais sobre os trabalhos da Daiane, no instagram @daianesouza.saltus.


A artista Daiane Souza “A pandemia, apesar de ter sido um mal para o mundo, foi um momento que me reergueu, pois, até então, eu trabalhava como recepcionista de um hotel, e foi num momento de crise, quando fui demitida, que eu foquei novamente na arte”

Mais da Gazeta