Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1929
Pará de Minas 04/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal traz informações corretas, com toques de criatividade e alegria, fazendo agradável a leitura!”
DENY OSWALDO DE ALMEIDA LEITE, contador.

Gozacao Pura

POR ONDE ANDAM A SAÚDE DE 1ª E O SUS EXEMPLAR QUE TANTO FALAM?

Ainda bem que essa coluna existe, para euzinha poder falar, em nome do povão! Afinal, euzinha estou aqui exatamente pra isso. Agora, pára tudo, porque a BOMBA de hoje, além de triste é vergonhosa! Uma colega minha passou mal, com fortes dores na cabeça e no corpo, além de febre e muita tosse, tipo gripão mesmo ou até covid! Aí, ela fez o que tinha de fazer: foi ao Hospital Nossa Senhora de Conceição e me contou, depois, que não foi nem atendida, porque os funcionários de lá estavam com caras ruins e, sequer, respondiam as perguntas que ela fazia. A única coisa que fizeram foi encaminhá-la de cara para o AME - Atendimento Médico Especializado, que fica dentro do Hospital Municipal Padre Libério. Ela foi e, quando chegou lá, pegou uma senha e ficou esperando a consulta, com o hospital empelotado de gente. Só pra você ter uma ideia, na tela de senhas anunciadas havia ainda cento e cinco pacientes na frente dela. Com certeza, vários contaminados pela covid. Enfim, ela achou tudo igual ao hospital do Centro, já que as atendentes tiram caras ruins também, demonstrando muita má vontade para atender. Tinha uma que só ficava mexendo no celular, ouvindo músicas de mau gosto e assistindo vídeos, tudo na maior altura! E as pessoas dizendo pra ela que estavam no Ame, desde às 10H e que já tinha passado das 17H. Minha colega ficou lá até madrugada e, depois, ficou cansada e picou a mula, sem ser atendida. BUUUMMM!!! Depois, passou em uma farmácia, onde comprou os remédios sugeridos pela sorridente atendente. Uai, gente, não falam tanto que a saúde de Pará de Minas finalmente melhorou e que o nosso Sus - Sistema Único de Saúde é exemplo para outras cidades? E que os profissionais da saúde local são muito competentes e humanos, pensando, antes de tudo, no próximo e não no salário?

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR – Se a minha colega fosse parente desses funcionários, ela teria recebido um atendimento diferente?

ATÉ BREVE! E DE LEVE...



Mais da Gazeta