Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

Notícias Deputados

FRENTE PARLAMENTAR DEBATE MODELO ÚNICO DE AVALIAÇÃO BIOPSICOSSOCIAL

O deputado federal Eduardo Barbosa participou no último dia 24, da reunião da Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência. O objetivo da reunião foi fazer uma análise do relatório final do Grupo de Trabalho Interinstitucional sobre o Modelo Único de Avaliação Biopsicossocial da Deficiência. O referido relatório foi divulgado no dia 3 de dezembro de 2021. A expectativa agora é a regulamentação do instrumento, por meio de um decreto do Poder Executivo. A regulamentação do Modelo Único de Avaliação Biopsicossocial da Deficiência está prevista na Lei Brasileira de Inclusão, aprovada em 2015.  Atualmente, esse tipo de avaliação é feita por um perito médico, para acesso à grande parte das políticas públicas destinadas a pessoas com deficiência, com ênfase nos impedimentos das funções e das estruturas do corpo.

AMPLA ARTICULAÇÃO - Segundo o pará-minense Eduardo Barbosa, a implantação de um novo instrumento para avaliação da deficiência precisa ter uma política clara de como essa avaliação irá ser implantada no país. Leia. 

“Acredito que a regulamentação será voltada para a área interna do INSS que analisa, por exemplo, concessão de aposentadoria especial ou Benefício de Prestação Continuada (BPC). Porém, a avaliação biopsicossocial vai além disso. O objetivo desse tipo de avaliação é estimar a condição do cidadão para acesso a serviços públicos como um todo, não só a benefícios. Ela identifica as barreiras existentes que devem ser transpostas pelas políticas públicas, para garantir o pleno acesso das pessoas com deficiência. E isso requer uma ampla articulação com municípios e os estados”, afirma o deputado.

ROL EXEMPLIFICATIVO - O conhecido deputado ainda sugeriu à frente a divulgação de uma nota se posicionando sobre o julgamento do STJ - Superior Tribunal de Justiça, para definir se a lista de procedimentos de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, instituída pela ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar, é exemplificativa ou taxativa. Ou seja, se as operadoras dos planos podem ou não podem ser obrigadas a cobrir procedimentos não incluídos na relação da agência reguladora.

“Somos favoráveis ao rol exemplificativo, porque ele dá uma abertura para introduzir novos métodos de atendimento com o que é cientificamente comprovado. A mesma luta nós devemos ter com o Sistema Único de Saúde, pois ele tem que garantir esse atendimento, pois sabemos que os planos de saúde atendem pessoas com maior poder aquisitivo, mas o SUS atende a todos”. 

Nos próximos dias, a Frente irá publicar uma nota em defesa ao atendimento integral da pessoa com deficiência, seja pelo SUS ou pelos planos de saúde.

PRONON e PRONAS/PCD - Eduardo Barbosa também sugeriu aos membros da frente fazer um esforço para tornar o Pronon - Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica e o Pronas/PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência Permanentes. Esses programas foram desenvolvidos para incentivar ações e serviços desenvolvidos por entidades, associações e fundações privadas sem fins lucrativos, que atuam no campo da oncologia e da pessoa com deficiência. Confira.

“O Pronon e o Pronas/PCD têm sido uma forma de ampliação de metas de atendimento, na área da pessoa com deficiência e na área de tratamento do câncer e o encerramento desses programas em dezembro foi uma perda enorme para a população que mais precisa desses tratamentos”.

Tramita na câmara dos deputados o projeto de lei nº 5307/2020, que prorroga a faculdade de dedução do imposto sobre a renda dos valores correspondentes a doações e patrocínios, em prol de ações e serviços do Pronom e o do Pronas/PCD, e a ideia dos membros da Frente é modificar o texto, para tornar esses programas permanentes.


Mais da Gazeta