Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

GRITO POPULAR

COMPRE A GAZETA NAS BANCAS: * PADARIAS: BARIRI, CAFÉ COM LEITE (São Luiz) e FRANÇA (rua Direita); * BANCAS: MARIA JOSÉ (em frente à EE Governador Valadares) e FRANCISCO (ao lado do Santander); * STOP SHOP, etc..

Veja também outras queixas da edição anterior abaixo.

“TENHO CERTEZA ABSOLUTA DE QUE DESCOBRI QUEM É A EUZINHA”

“Pessoal da GAZETA, descobri quem é a Euzinha!!! Tenho certeza absoluta de quem é essa misteriosa e polêmica colunista GP (coluna Gozando Pacas, ao lado). Falei para alguns parentes e amigos meus sobre os meus palpites e todos eles, sem exceção, concordaram comigo. É o Rômulo Mendes, não é? Se não for ele, é o Rodrigo Leocadio. Só pode ser um dos dois! Aqueles textos são a cara deles! Podem falar...”

NOTA DA REDAÇÃO - Como aqui, na redação do jornal, só o editor GP sabe, realmente, quem é a colunista Euzinha, a reportagem GP levou o questionamento do(a) leitor(a) a ele. Veja o que ele respondeu:

- Não, de jeito nenhum! A Euzinha é bem mais jovem, tipo vinte e poucos anos,” garante Bié Barbosa.

MERCADORIA SEM NOTA FISCAL, EM PLENA RUA DIREITA?

“Dia desses, estava procurando pelas redes sociais uma boa oferta para comprar um smartphone novo e, depois de alguns dias pesquisando, encontrei o que procurava e estava com um preço excelente. Fui até à loja, na rua Benedito Valadares, para fazer a compra. Após o atendimento da excelente vendedora, ao finalizar a compra, ela me entregou apenas o certificado de garantia do smartphone, quando perguntei pela nota fiscal. Ela respondeu que, por ser o smartphone importado, não havia nota fiscal. Afinal, só assim eles conseguiam fazer aquele preço menor e sem concorrência... Acho que isso está errado demais, não está? Já ouvi dizer que vender mercadoria sem nota fiscal é crime contra a ordem tributária e que a pena é de 1 a 3 anos de detenção. E tem mais: caso o meu smartphone seja roubado, não poderei, sequer, chamar a polícia, já que sem a nota nem tem como comprovar a minha propriedade.”

NOTA DA REDAÇÃO - Contatado o Procon local, veja o que foi dito. “Em resposta à denúncia recebida pela GAZETA, importa-se esclarecer que a emissão de nota fiscal é obrigatória. Em caso da não emissão e entrega do documento, a empresa cometerá crime contra a ordem tributária, previsto na lei 8.137/90. Sabendo que é um dever do fornecedor, cabe ao consumidor exigir a emissão/entrega da nota fiscal, sempre que adquirir um produto ou serviço. Por isso, o Procon de Pará de Minas orienta que os consumidores fiquem atentos e optem por comprar somente em locais que emitem a nota fiscal, pois assim confirmarão a idoneidade da empresa. Caso o estabelecimento se negue a emitir a nota fiscal, cabe ao consumidor realizar uma denúncia na Secretaria da Receita Estadual/Federal ou na Secretaria de Fazenda do município, podendo também procurar a Delegacia de Polícia e o Ministério Público. O Procon realiza ações de fiscalização e orientação aos comerciantes, para garantir que estabelecimentos emitam a nota fiscal, prezando assim pela credibilidade da empresa, evitando ainda a imputação em pagamento de multa e a responsabilização por crimes tributários, como sonegação de impostos,” adverte o Procon.



Entre outras queixas dos leitores GP leia: VERDADE OU MENTIRA: 19 MIL REAIS POR MORTE?


Mais da Gazeta