Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias

CIRCO EXIBE CENAS IMPRÓPRIAS PARA AS CABECINHAS DOS PIMPOLHOS


Euzinha fiquei chocadérrima com a BOMBA desta semana. No fim de semana levei três sobrinhos meus no circo que chegou na terrinha e se alojou bem ao lado do estacionamento do shopping. Eu amo circo, ainda mais que, com a pandemia, há anos que não tinha na cidade tal acontecimento. É aquele circo do carro de som que passa anunciando o bramido de um elefante, como se fosse possível, hoje em dia, ter animais em circo. Pra mim, uma descarada propaganda enganosa, mas deixa pra lá. Com eles, vieram helicópteros, camaro amarelo e muitos panfletos, para puxar a clientela. Adquiri os quatro ingressos, pela internet, ao preço de quinze reais cada. Quando  euzinha estava lá dentro, debaixo daquela lona sempre mágica, meassuntei com uma cena, picadeiro. Do nada, uma atriz adulta vai se despindo, na frente de uma criança do circo, até ficar com apenas com as roupas íntimas (calcinha e sutiã???). Eu vaiei e pedi para os meus sobrinhos vaiarem também e foi bom, porque todo mundo começou a vaiar também. Em seguida, um palhaço adulto puxa a criança pelas nádegas. Achei que essa induz à normalização de uma forma de abuso. Um dos meus sobrinhos, que é meu afilhado e era o caçula dos três ficou olhando aquilo com a carinha mais assustada do mundo. Perguntou-me, impressionado:

- Madrinha, por que a mãe dele tirou a roupa? Por que o palhaço fez aquilo com ele? Ele não tem culpa!

Embaracei-me toda, para tentar explicar aquilo e não consegui. Por outro lado, depois fiquei alegre, ao ver que muita gente que estava lá postou vídeos e textos totalmente contra o que viram no circo. Aí, os donos do circo soltaram uma nota nas mesmas redes sociais, pedindo desculpas pelo ocorrido e prometendo tirar aquela imprópria cena do espetáculo. Apesar de atrasada, já que já haviam apresentado a mesma cena em várias outras sessões, melhor que nada... Porém, tirar das cabecinhas das várias crianças que viram aquela cena esdrúxula, isso não tem mais jeito, porque o mal já está feito...

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR - Será que o Conselho Tutelar não deveria obrigar o circo pagar uma multa, pelo mal feito às cabecinhas de tantas crianças inocentes?

ATÉ BREVE! E DE LEVE...

Você não sabe quem sou eu, mas euzinha sei tudo sobre você!

(*) Colaborador que só escreve fake news (notícias falsas).

Mais da Gazeta