Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Prefeitura

“TEM OU NÃO TEM VARÍOLA DOS MACACOS NA CIDADE?”


Na manhã da última segunda-feira, o secretário de saúde, Wagner Magesty, acordou, convocando uma entrevista coletiva para falar sobre o caso suspeito de Varíola dos Macacos em Pará de Minas, noticiado pelos veículos de comunicação do estado, no fim de semana. Veja o que ele disse.

“Fomos surpreendidos com essa notícia, por causa de um paciente adolescente, 14, que deu entrada em uma UBS - Unidade Básica de Saúde apresentando sintomas de febre, dor no corpo e algumas erupções cutâneas, o que predispõe a varíola ou a varicela (catapora). Imediatamente, um médico fez a notificação no site do Ministério da Saúde, onde são notificados todos os casos epidemiológicos. Essa foi uma atuação compulsória (obrigatória) e não facultativa (escolhida) do médico, porque ele tem mesmo que registrar e abrir um chamado junto ao Cieves - Centro de Informações Epidemiológicas e Vigilância em Saúde, da secretaria de Estado, que faz o acompanhamento junto com o ministério, há 40 dias. Naquele momento, o médico orientou a família que mantivesse o paciente em isolamento e fez um relatório do diagnóstico. Levando em consideração que não existe nenhum vínculo epidemiológico desse paciente com qualquer outra pessoa que tenha vindo de regiões endêmicas da varíola e, após fazermos o levantamento de vacinas do paciente, percebemos que ele não estava vacinado contra a varicela. Diante disso, temos a suspeita de que o caso dele seja, realmente, a varicela, principalmente pela idade dele, quando é muito comum pegar a popular catapora. Com isso, estamos aguardando que o Cieves faça o encaminhamento de uma nota informativa. Agora, não só nós de Pará de Minas, mas todos os municípios aguardam essa ação do Estado, para que possamos ter o manejo da nossa rede de saúde, de forma conjunta e igualitária. Certo é que toda a conduta foi feita de forma extremamente eficiente pelo profissional médico e que a família seguiu as orientações. Agora, aguardamos essa nota (*), para que possamos descartar o quadro de varíola, até porque o paciente já se encontra hoje bem de saúde,” garante o secretário.

A IMPORTÂNCIA DAS VACINAS - “Caso seja comprovado que é um caso de varicela, só mostra a importância da vacinação. Um bom exemplo é o sarampo, que já foi considerado uma doença erradicada no país, mas que devido à baixa vacinação começamos a ter novamente casos espalhados pelo país. Por isso, é importante que os pais e responsáveis levem seus filhos as UBS e completem o cartão de vacina, para que não fique nenhuma vacina faltando. Sabemos que a vacina é eficaz e o Brasil tem expertise (competência) em relação a isso.”

(*) A citada nota não havia chegado, até o fechamento desta edição.


Mais da Gazeta