Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação: Francisco Gabriel
Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade, desde 84
ANO 40
Nº 2010
11/03/2024


Eventos GP
Eventos GP

279ª MOSTRA GP: DESENHOS A LÁPIS DE GRAFITE - 13/01/2023

o desenhista natural de Belo Horizonte/MG, Rodrigo de Resende Lima, mais conhecido, inclusive nas redes sociais, como Rodrigo Roreli, 42. A reportagem GP conversou com ele. Confira. 

“Comecei a desenhar aos sete anos de idade e foi aos oito anos, depois de passar vergonha na escola, por causa de um desenho (mal feito), quis realmente aprender a desenhar, para não acontecer de eu passar vergonha, novamente. Continuei a praticar com o material básico que eu tinha, apenas lápis HB e caderno escolar. Ficava tentando copiar imagens de revistas, jornais, livros, paisagens e, às vezes, tentava criar algo. Continuei desenhando, por cerca de 15 anos, mas, depois, tive que parar, devido ao trabalho, escola e família. Aí, passei a desenhar só por hobby, ficando sem desenhar por 7 anos, aproximadamente. Em 2016, fiquei desempregado, quando o Brasil estava passando por uma grande crise financeira e, assim, tive que voltar a desenhar, como forma de conseguir dinheiro, para sustentar a minha família. Foi neste período que busquei mais conhecimentos, por meio da internet, especialmente pelo Youtube, onde conheci Charles Laveso, que me inspirou a desenhar, ainda mais. Cheguei a viver da arte por uns 2 anos, fazendo encomendas e dando aulas, mas ainda tenho o sonho de viver da arte, ” vislumbra Roreli.

ONDE VOCÊ VENDE? - “A maioria dos meus desenhos são encomendados. Então, tenho poucos trabalhos guardados e esses que tenho foram feitos com muita dedicação e carinho, especialmente o, do meu cachorro. Decidi desenhá-lo, após um acidente domiciliar, quando ele quase morreu. Dei um banho nele e o coloquei no sol para secar, foi quando vi a possibilidade de fazer uma obra, aproveitando a luz e a sombra que eu havia percebido na cena. Quase sempre é assim que escolho o que desenhar, tem que me chamar muito a atenção e me criar um desafio em nível de dificuldade em relação a detalhes, pois, nesses anos, percebi que só aprendemos se praticamos muito. Portanto, não é somente dom, mas, sim, muita prática. Por meio do desenho, desenvolvemos a concentração, a percepção e a nossa paciência. A arte de desenhar é uma terapia e faz muito bem à saúde e à mente. Repetindo: não é preciso ter dom, mas, sim, vontade de aprender e muita disciplina, saindo do comodismo e buscando o artista escondido dentro de você. ”

FALE DE SUAS OBRAS - “Me inspirava nas pinturas de Caravaggio, mas sempre fui fascinado por realismo e minha maior paixão é o desenho a lápis de grafite. Hoje, conheço vários artistas desenhistas e pintores que me inspiram a alcançar o hiper-realismo, se é que posso dizer assim, por meio de trabalhos que são idênticos a fotografias.”

ALGO MAIS? - “Agradeço à GAZETA PARÁ-MINENSE, pela oportunidade de mostrar mais um pouco do meu trabalho artístico.”

Os incríveis desenhos a lápis de grafite, expostos na sede do GP Jornal e seu criador, o artista Rodrigo Roreli: “Nesses anos, percebi que só aprendemos se praticamos muito. Portanto, não é somente dom, mas, sim, muita prática”

Mais da Gazeta

Colunistas