Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias

“POR QUE A ÁGUA FICOU TÃO SUJA”?

A água da cidade andou chegando, novamente, às residências com uma coloração amarelada, mas a Águas de Pará de Minas garante que está tomando as devidas providências para que ela volte a ficar com a coloração normal. Para saber mais sobre esse assunto que tem assustado a população, a reportagem GP conversou com o superintendente da Águas de Pará de Minas, Tiago Contage. Veja o que ele disse, em resumo, e fique por dentro.

“O que acontece é que, ao longo de tantos anos de abastecimento, há tubulações antigas e outras mais recentes, onde vai se formando um biofilme, em sua camada interna. Então, quando a gente faz manutenções, como essa que aconteceu recentemente na rua Melo Guimarães e na avenida Argentina, a gente precisa fechar o registro para poder fazer a manutenção por questões de segurança. Porém, quando a água volta, ela vem com uma velocidade maior, fazendo o arrasto desse biofilme, mas, em questão de segundos, água volta à coloração normal. A maioria das manutenções que a fazemos pela cidade não apresenta esse tipo de problema, mas, quando acontece, nós esclarecemos e informamos que essa coloração não oferece riscos a saúde”, explica Tiago.

PODEMOS BEBER SEM MEDO? - “Pode. Acontece que, normalmente, as pessoas filtram essa água, ficando mais perceptível, já que várias ligações são diretas na rede. Ou seja, ela não passa pela caixa d'água e nos 1ºs segundos a água fica com a coloração um pouco mais amarelada. Mas na sequência ela já está limpa. Quem tiver dúvida, pode ligar para a empresa, registrar a sua reclamação e, em 100% dos casos, nós enviamos o pessoal do controle de qualidade (engenheiros químicos), para verificar”.

DE ONDE ELAS ESTÃO VINDO? - “Por causa das chuvas regulares que caíram, a captação do rio Paraopeba foi desligada, já que recebemos, durante dois dias, água com produtos químicos não identificados. Mas as águas que vêm dos ribeirões Paciência e do Paivas ou do Paraopeba são monitoradas, todos os dias, no mínimo a cada uma hora, para que ela fica adequada ao consumo, atendendo à portaria 2914 do Ministério da Saúde”.

E OS PEIXES MORTOS? - “Encaminhamos amostras para mais de um laboratório, além do nosso, e identificamos uma carga elevadíssima de matéria orgânica e uma espécie de descarte de lama, misturado com alguns produtos químicos que acabaram potencializando e impactando a questão da oxigenação da água, provocando a mortalidade daqueles peixes”.

Mais da Gazeta