Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1919
Pará de Minas 27/05/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

INFLUENCIADOR DIGITAL VAI MUITO ALÉM DO SEU BORDÃO SEXTOOOU BB

exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

MARIA DE JESUS CORNÉLIO, 85

exclusivo

enquete gp

TATUAGENS: A FAVOR OU CONTRA?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA é tradicional em informar sempre com qualidade.”
LÍVIA VIEIRA GUIMARÃES ALMEIDA, bancária.

Eventos GP

248ª MOSTRA GP: GRAFITE

Convidado para expor na 248ª Mostra GP, o grafiteiro Thales Mendes Pereira, 18, estudante de designer, que faz arte original e característica desde criança. Enfim, ele sempre gostou de desenhar e, a partir dos 16/17 anos, começou a ter vontade de ir para o ramo do grafite, sendo muito apoiado pela família e amigos. Para saber mais sobre a arte de Thales, a reportagem GP conversou com ele. Acompanhe.

“Os grafites que eu gosto de fazer geralmente são desenhos bem originais, onde eu tenho total liberdade na criação deles. O processo é bem simples: primeiramente, eu faço um esboço e depois vou sobrepondo as cores. Geralmente, faço um esboço, antes, no papel, para depois passar para a parede ou tela. Isso gasta em torno de duas horas, dependendo do tamanho do desenho. Na escola Fernando Otávio eu fiz o meu 1° grafite grande (foto). Depois dele, participei de outros projetos, inclusive no Colégio Passos, onde passei um dia inteiro com crianças, ensinando realmente um pouco dessa arte e cultura de rua e grafite,” conta Thales

DE ONDE VEM A INSPIRAÇÃO? - “A minha inspiração vem de vários artistas. O Brasil é muito bem representado nesse ramo, através de Os Gêmeos, o Kobra, dentre outros grafiteiros muito famosos. Eu ainda não comecei realmente a vender tudo o que eu faço, mas já vendo bastante garrafas personalizadas com a minha arte e até algumas telas. Porém, quero levar a arte pelo resto da minha vida, não só como um hobby, mas como um serviço, trabalho mesmo, onde eu possa ficar bem realizado e satisfeito.”

Mais da Gazeta