Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias

UM SÓ PROJETO E SOLUÇÃO PARA DOIS PROBLEMAS

O mais novo projeto do Grupo Agro é presentear 200 crianças que moram no campo, têm problemas de visão. O projeto intitulado de Dar as Mãos Para Ver teve apoio da prefeitura, através da secretária de educação. Para saber mais sobre esse tema social , a reportagem GP conversou com o proprietário do Grupo Agro, Mário Augusto Pinhão, vencedor do Garra Profissional, no setor da Agronegócio, nos dois últimos anos. Acompanhe.  

“Na verdade a ideia do projeto começou de uma necessidade nossa de melhorar as condições de boas práticas agrícolas dos produtores que trabalham com químicos. Nós fizemos uma pesquisa e constatamos que nós temos um índice de contaminação por agroquímicos muito alto na região de Pará de Minas. Assim, começou todo um processo de conscientização, quando conhecemos um outro parceiro chamado Compart Veg, cujo o lema é Dar as Mãos a Quem Alimenta o Mundo. Assim, montamos um projeto e fizemos outra pesquisa onde deparamos com um outro dado que nós não conhecíamos: a alta evasão escolar, causada pela má visão dos alunos do campo. Com essa informação, nós procuramos a secretaria de educação, onde fomos prontamente atendidos e iniciamos um projeto. Na verdade, a ideia seria melhorar a percepção das pessoas na zona rural, sobre a importância de se usar o EPI (Equipamentos de Proteção Individual). Entretanto, percebemos que o valor dos cinco sentidos (visão, audição, paladar, tato e olfato) é muito maior do que o de uma intoxicação crônica, por exemplo, quando a pessoa só vai perceber a perda de saúde, ao longo dos anos. Nós percebemos que conscientizar as pessoas, através de um dos sentidos – no caso a visão - é muito mais rápido que ministrar palestras para mostrar que as pessoas precisam usar o EPI. No 1° instante, a pessoa vai usar os equipamentos para ganhar os óculos do filho, mas, depois, vai se acostumar com o seu uso. A ideia inicial era contemplar crianças com baixa visão, de até 12 anos. A contrapartida da família dessas crianças da zona rural, seria trazer uma pessoa que trabalha com agroquímico e que não usa EPI para ganhar o equipamento e ter o compromisso de devolver a ficha desse EPI completo com o uso, após seis meses,” explica Guto como é mais conhecido esse empresário rural.

O QUE TEM NO EPI E QUANTOS ÓCULOS? – “O EPI tem um macacão impermeável, uma máscara, uma máscara protetora de olhos, luvas e botas. Sobre os óculos, nós temos um limite de 200, cujo investimento será em torno de R$ 20.000,00.” 

QUEM ESCOLHERÁ OS ALUNOS? – A reportagem GP conversou também com secretária de educação, Marluce de Souza Pinto Coleho. Veja. 

“Como na zona rural os alunos são muito carentes, nós abraçamos essa parceria de coração, porque viabilizou pra gente um projeto que já precisava ter sido feito, há mais tempo. Agora, os próprios educadores das escolas da zona rural selecionam as crianças, mandam uma relação para a secretaria de educação que, por sua vez, marca na secretaria da saúde a consulta e o Grupo Agro doa os óculos. É muito importante essa iniciativa, pois o aluno é prejudicado na escola, pela visão, porque ele tem dificuldade na aprendizagem. Esse projeto vai, então, solucionar dois problemas, de uma só vez: o da visão e o da aprendizagem do aluno”. 

Mais da Gazeta