Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

E OS MORADORES DE RUA, NESTE FRIO TODO?

Ao se deitar toda noite, nesse frio, toda pessoa com um pouco de sensibilidade acaba se lembrando daqueles que estão ao relento, em diversos pontos de Pará de Minas. Por falar nisso, será que o Centro Pop – Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua intensifica os seus atendimentos, durante o inverno? Para saber mais sobre esse assunto, a reportagem GP conversou com o coordenador do Centro Pop, Gustavo Henrique Duarte Silva. Confira.

“O trabalho do Centro Pop nunca para e, nessa época do frio, aumenta a demanda por abrigo. Para se ter uma ideia, o abrigo do instituto Integrar Vidas está com todas as vagas preenchidas (oito masculinas e quatro femininas), porque a população de rua tem buscado o Centro Pop para receber esse atendimento. Felizmente, hoje em dia, quase não vemos mais moradores nas praças, uma vez que eles passam praticamente todo o dia no Centro Pop. Aqueles que solicitaram também estão dormindo no abrigo. Como o frio está incomum para a nossa região, temos recebido muitas doações de agasalhos e cobertores, conseguindo suprir a necessidade de todos os moradores de rua. Porém, pessoas em condição de rua, que são acompanhadas pelo Centro Pop, é um número pequeno; não passam de cinco. Os demais frequentam o local e depois voltam para onde vivem,” ressalta Gustavo.

HÁ AINDA GENTE NA RUA - “Temos um pequeno grupo de moradores de rua que ficam debaixo da Ponte grande, mas, durante a noite, eles ficam debaixo da árvore da praça Simão da Cunha. O número maior que conseguimos ver durante a noite são de usuários de drogas. Desde que sejam moradores de rua, independentemente de qual droga usam, ele é atendido no Centro Pop, onde temos um encaminhamento para o Caps AD e para as comunidades terapêuticas, respeitando sempre a vontade dele querer ou não fazer o tratamento.”

Mais da Gazeta