Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

PRA QUE SERVE O PROJETO FÊNIX?

Está sendo realizado na Penitenciária Pio Canedo o projeto Fênix, focado na ressocialização, por meio de ações intersetoriais nas áreas de assistência social, educação e saúde. Para saber mais sobre esse assunto, a reportagem GP conversou com a advogada Márcia Marzagão Albano, que foi a idealizadora do projeto. Confira.

“Quando eu cheguei no Comad, representando a OAB, vi que o Comad abrangia todos os pontos que estão carentes, dependendo de auxilio, mas não abrangia a penitenciária e eu, como advogada criminalista, vejo que, cada vez mais, os problemas que envolvem os detentos estão relacionados com droga e álcool. Assim, baseada no projeto Girassol, em razão das delimitações que tem o sistema prisional, eu idealizei o Fênix que é um projeto que está sendo aplicado dentro da escola do sistema prisional, sem alterar a rotina dele, facilitando a sua conclusão. A parte pedagógica foi elaborada pela pedagoga da unidade e nós demos as diretrizes baseadas no projeto Girassol, através de palestras, que o sistema prisional estabelecer. Esse projeto foi desenvolvido para que se tenha continuidade,” ressalta Márcia.

HUMANIZAÇÃO - A reportagem GP conversou também com o diretor geral da penitenciária, Marcelo de Carvalho Barbosa. Veja.

“Apesar de não ter nada documental, acredito que uns noventa e cinco por cento dos detentos da penitenciária estão presos por crimes relacionados ao tráfico de drogas ou ao uso de drogas que, antigamente, também era considerado crime (matar, roubar e comprar droga). O importante é resgatar essas pessoas e se a gente resgatar um, já valeu a pena, se bem que o nosso intuito é resgatar todos. Pessoas assim clamam por ajuda e, quando a sociedade organizada vem e ajuda essas pessoas, faz uma diferença muito grande. O que a gente vai fazer na penitenciária é humanizar as penas, já que a ressocialização só será alcançada com a humanização,” afirma Marcelo.

Mais da Gazeta