Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

ANIMAIS SELVAGENS INVADEM A CIDADE

Por causa do calor intenso e das queimadas que aconteceram recentemente em Pará de Minas, tem sido comum animais selvagens surgirem no perímetro urbano. O veterinário Idael Santa Rosa resgatou recentemente três gambás e falou com a reportagem GP sobre isso. Confira.

“Nesse período de escassez de água, de desmatamento intenso, queimadas e muito calor, estamos vendo animais se deslocarem do meio rural para a área urbana, na tentativa de sobreviver. Temos tido vários relatos de animais que estão vindo para dentro da cidade e adentrando nas moradias. Então temos que alertar as pessoas para tomar cuidado e respeitar esses animais. Devemos tratá-los de forma amistosa, pois se não eles não forem agredidos não trarão nenhum problema. Chegaram aqui pra gente acolher três filhotes de gambás que, durante aquela ventania, acabaram se perdendo da mãe. A polícia ambiental se encarregou de soltá-los, novamente. As pessoas têm aquela convicção de que gambá come ovo, come galinha e fede e é verdade. Mas não podemos matá-los,pois eles, normalmente, comem baratas, escorpiões, pequenas cobras, ajudando a manter o equilíbrio ambiental. Portanto, quem achar animais desse porte é só acionar a Polícia Ambiental ou o Corpo de Bombeiros, onde há profissionais que ajudam no resgate desses bichos.”

Mais da Gazeta