Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

CONCRETIZADA A AMEAÇA DE FECHAR O HOSPITAL

Continua gerando enorme insatisfação na população de Pará de Minas a paralisação dos plantões médicos do Hospital Nossa Senhora da Conceição, que está parcialmente fechado, desde a última segunda-feira, 6. A situação é bastante complicada, já que envolve até ação na justiça entre o hospital e a prefeitura. Desta vez, a reportagem GP conversou com a presidente da Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais, Kátia Rocha. Fique por dentro.

“Desde o início de agosto (deste ano), o hospital buscou a justiça, levando essa matéria para o poder judiciário, após tentarmos uma conciliação, mas, infelizmente, não foi possível e fomos para a justiça para buscar um equilíbrio econômico financeiro do contrato que o hospital mantém hoje com a prefeitura. O hospital entende que para executar aquele serviço precisa de um recurso adicional por parte da prefeitura. Porém, depois da ação judicial, a situação piorou e o valor da subvenção, que já era insuficiente (R$ 170.000,00/mês), não foi mais repassado. Uma nítida medida de retaliação. Nessa queda de braço (entre hospital e prefeitura) quem perde é o cidadão e, por isso, nós vamos levar ao poder judiciário o agravamento dessa situação”, dispara Kátia.

FALE MAIS DO PROCESSO - “A juíza acatou nosso pedido para que se fizesse uma apuração dos custos do hospital para que, de uma vez por todas, seja verificado quem está com a razão. Ou seja, é o município que quer pagar menos ou é o hospital que entende que aquele valor realmente precisa ser corrigido para que se tenha um equilíbrio? Queremos sensibilizar a justiça da necessidade da perícia, o quanto antes, para definir o valor devido. É de praxe que os municípios complementem os valores para se ter, no mínimo, um serviço exequível e de qualidade.”

PARAR É A SOLUÇÃO? – “A situação de parar ou não já não depende mais de vontade do hospital, tanto é que buscamos a justiça, em agosto, querendo evitar essa situação. Estamos pensando em uma nova medida judicial, em face do município, por causa dessa mudança de postura (deixar de repassar a subvenção). No mais, a situação está só se agravando, pois agora faltam até os recursos financeiros (que antes havia).” 

MUDANÇA DE GESTÃO - Procurada, veja a resposta da prefeitura, através de sua assessoria de imprensa.

“A prefeitura reafirma que, há vários meses, tenta negociar com o HNSC uma proposta para solucionar a grave crise financeira que atinge a instituição, dentro da legalidade, transparência e responsabilidade na aplicação dos recursos públicos. Contudo, não há um acordo entre as partes. Mesmo assim, o município continua com tentativas de negociação, em busca de um acordo que possa atender a todas as necessidades do hospital, que atende não apenas Pará de Minas, mas a toda a microrregião. O município estava repassando as subvenções ao hospital, em dia, exatamente da forma como foi acordado, apesar da instituição estar reduzindo os serviços prestados à população, descumprindo o contratado. Segundo o secretário de saúde, “esse é um problema crônico que vem se arrastando, há muitos anos, e a gestão do hospital precisa ser revista.” Diante da decisão do HNSC de fechar as portas para os plantões de pronto-socorro, pediatria, ortopedia, maternidade e anestesia, a prefeitura, por meio da secretaria de saúde, montou um plantão contingencial, na Upa 24H. Para isso, ampliou o número de médicos para o atendimento à população e montou uma sala para atendimentos especiais, onde foi, inclusive, já foi realizado um parto, na 2ª feira, dia 6. “Dentro da medida do possível, nós estamos fazendo os atendimentos. O hospital tem se negado a receber os pacientes. Ele vem descumprindo aquilo que ele se comprometeu a fazer. Ele disse que não receberia aporte de urgência e emergência, mas que manteria os recebimentos através do Sus Fácil. Apesar disso, os clientes que foram cadastrados no Sus Fácil não foram recebidos. Houve um caso de infarto também e o hospital não atendeu. Nós estamos aguardando o posicionamento da secretaria do Estado em relação a essa postura adotada pelo hospital. A gente entende que o hospital não está com uma postura correta. Nós não aceitamos que a vida das pessoas seja moeda de troca e muito menos que aquela história que vem se prorrogando, ao longo de muitos anos, continue. Nós queremos uma solução definitiva para o povo e que será feita com transparência e boa utilização dos recursos públicos. Ou seja, nós precisamos mudar o modelo de gestão que a unidade vem trabalhando, porque ela incorpora a rede de saúde. Se nós estamos mudando a rede, alguém que faz parte dela, tem que acompanhar tudo isso também”, cobra Paulo Duarte.

Mais da Gazeta