Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1919
Pará de Minas 27/05/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

INFLUENCIADOR DIGITAL VAI MUITO ALÉM DO SEU BORDÃO SEXTOOOU BB

exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

MARIA DE JESUS CORNÉLIO, 85

exclusivo

enquete gp

TATUAGENS: A FAVOR OU CONTRA?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA é tradicional em informar sempre com qualidade.”
LÍVIA VIEIRA GUIMARÃES ALMEIDA, bancária.

Notícias

CONTRA OU A FAVOR DA REFORMA DA PROVIDÊNCIA?

Os principais pontos da reforma da previdência são estes: * idade mínima para se aposentar: 65 anos para homens e 62 para mulheres; * tempo mínimo de contribuição de quinze anos no regime geral (INSS) e vinte e cinco anos para servidores; * quarenta anos de trabalho para chegar a 100% do valor; * entretanto, isso não afetará quem já tem tempo para se aposentar, pelas regras atuais. Para saber se o deputado federal Diego Andrade é contra ou a favor dessa reforma, a reportagem GP esteve ele. Não deixe de ler.

“Quando eu aderi a deputado federal, optei pelo INSS. Ou seja, não fui para nenhuma aposentadoria especial como alguns deputados que têm esse direito e aderiram. O que está estragando a Previdência são os privilégios como gente se aposentando com um salário de quarenta mil reais. Na última proposta do governo que eu vi, eles tiraram todos os produtores rurais, mantendo a idade e não mexendo com eles, que são um grande número aqui na região. Retiraram também o idoso que aposenta por idade e o deficiente. O grande foco da atual proposta agora é cortar privilégios. O que eu defendo é que o Brasil não pode ser um país de privilégios e essa reforma combater isso, eu apoio,” garante Diego.

Mais da Gazeta