Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

GOLPE ATÉ EM HOSPITAL?

Em Pará de Minas,aconteceram alguns casos de golpes, usando o nome do hospital local, quando os autores se passam por médicos e pedem dinheiro aos familiares de pessoas que estão internadas no hospital. A reportagem GP conversou com o secretário de saúde Paulo Duarte, que falou sobre o tema. Informe-se.
“Faço uma alerta à toda população de Pará de Minas e região, pois tivemos a reclamação de duas pessoas que estiveram no hospital, dizendo que receberam ligação telefônica e carta com pedidos de depósito em dinheiro para o tratamento de pessoas que estão internadas no HNSC. Esse golpe já é conhecido na praça, tem acontecido muito na capital, nos grandes hospitais, quando o bandido liga com dados do paciente. Uma dessas pessoas esteve no hospital para efetuar o pagamento de três mil reais para o médico comprar um antibiótico que o Sus não poderia cobrir, senão o parente delas poderia falecer. Ainda bem que essa pessoa procurou a unidade para saber realmente o que estava acontecendo, já que isso não procede. Afinal, o HNSC não tem por hábito fazer campanhas por telefone, pedir dinheiro para doação ou complemento de tratamento. Tudo o que vai acontecer com o paciente é falado diretamente para os seus familiares ou responsáveis, de forma presencial,” relata Paulo.

ALERTA - “Diante disso, solicito que ninguém dê crédito a essas ligações e correspondências e procurem sempre o hospital, antes de tudo. O hospital trabalha pelo Sus, através de convênios e atendimento particular. Se você entrou no hospital por meio do particular, você vai pagar tudo. Se entrou por convênio o seu plano vai cobrir tudo. E se entrou pelo Sus, você não tem que pagar nada, nem para o médico, nem para o hospital. Se acontecer um fato anormal, a direção da unidade vai chamar o responsável e explicar a situação, sendo apresentado o laudo médico e o prontuário do paciente. Fiquem atentos, já que o hospital não trabalha assim e, em hipótese alguma ,vai solicitar dinheiro por telefone. Ninguém pode pedir dinheiro em nome do hospital.”

Mais da Gazeta