Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

ARMADILHAS CONTRA AEDES AEGYPTI

Pará de Minas recebeu a visita do técnico do Ministério da Saúde, Robson Barbosa, para apresentação aos agentes de combate às endemias de uma armadilha contra o mosquito da dengue. O equipamento, bastante simples, permitirá a agilização do monitoramento da população do aedes aegypti, no município. A armadilha funciona da seguinte forma: as fêmeas do mosquito aedes aegypti são atraídas por uma mistura de água e levedo de cerveja, dentro de um pote plástico escuro, que será colocado em alguns quintais, estrategicamente escolhidos, conforme as vistorias realizadas pelos agentes. Ali, elas depositarão seus ovos, que ficarão colados em uma paleta de eucatex. Oito dias após, essa paleta é retirada e encaminhada a laboratório, para contagem dos ovos. Em Pará de Minas, serão instaladas duzentas armadilhas. A prefeitura contratará mais agentes e disponibilizará um veículo para a ação. Através das armadilhas, haverá uma resposta mais rápida do nível de infestação do mosquito, quando poderão ser planejadas melhor as ações de combate do transmissor de tantas doenças. É importante lembrar que a armadilha não servirá de combate ao mosquito, apenas ao nascimento de mais insetos. Por isso, é necessário que a população faça a sua parte, evitando, principalmente, o acúmulo de água parada.

Mais da Gazeta