Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias

COMO ERAM E COMO ESTÃO AS ÁGUAS DE PARÁ DE MINAS?

O TFD - Tratamento Fora do Domícilio está funcionando no primeiro andar do antigo prédio do Pronto Atendimento, no bairro Senador Valadares. A reportagem GP conversou com o secretário de saúde, Paulo Duarte, que explicou melhor o porquê dessa mudança. Veja.

“O pessoal vai receber ali o atendimento tanto do TFD, quanto de marcação de transporte. Mudamos para lá, pois estamos fazendo daquela região um Centro de Saúde. Já estamos com a obra do Casmuc licitada e liberada, iniciaremos as obras e, dentro de seis meses, inauguraremos o Casmuc ali também. Aí, teremos Upa, Vigilância Sanitária, TFD, Cispará e também o Casmuc todos juntos, em um mesmo lugar. Já fizemos uma solicitação também à Turi, para que amplie as linhas de acesso da população àquela região. Contudo, essa empresa ainda não tem público suficiente para fazer essa ampliação, mas com a gente direcionando os serviços da saúde pra lá, a Turi também conseguirá colocar mais linhas de ônibus para atender melhor a população” explica Paulo.

MAS QUAL É O MOTIVO REAL? – “O contrato atual do aluguel do TFD venceu, após cinco anos, e não houve o interesse de renovação, porque temos um custo da ordem de três mil e quinhentos reais por mês de aluguel. Diante disso, decidimos fazer essa mudança, porque será aluguel a menos para o município pagar. Assim, teremos mais dinheiro para investir na área da saúde e atender as pessoas, em uma região unificada. A Vigilância Sanitária será deslocada para o terceiro andar.”

Mais da Gazeta