Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Gozação Pura

QUEM ESTÁ MAIS ERRADO: QUEM NÃO ASSUME OU QUEM QUER TIRAR PROVEITO?

Euzinha adoooro atualizar você, gentalha, com algumas BOMBAS do passado. Vem comigo! Há alguns meses, contei aqui de uma grande reforma feita por um jovem empresário em seu negócio, mas não falei que ele investiu - só descobri agora - em torno de um milhão e meio de reais, na big reforma que ele fez em um imóvel alugado. Acredite, se quiser... Lembra também que Euzinha falei que ele escondeu a paternidade da filhinha, que, após nascer, teve alguns problemas sérios? Porém, na comemoração do níver de um aninho dela, ele, finalmente, postou uma foto ao lado dela, sem citar que ele era o pai. O que eu vou contar agora, Euzinha fiquei sabendo, naquela mesmo salão de beleza, em que eu fui, na semana passada, e deixei agendadas mais quatro sessões, porque o bafões de lá são quentíssimos! Comentaram lá que a menina nasceu de parto normal e recebeu alta, porque não tinha nenhum problema aparente. Entretanto, 5 dias depois, a menina teve icterícia, ficando muito amarela, mas não a levaram no atendimento médico público médico. Ficaram esperando o pai, que tem condição financeira boa. De repente, a menina piorou e tiveram de fazer transfusão de sangue, quando o pior aconteceu: ela teve paralisia celebral e auditiva, começando a usar um aparelho para ouvir. Foi aí que a avó paterna resolveu entrar na história, pagando um tratamento de quase treze mil reais, pra ver se a pobre netinha conseguiria, pelo menos, andar. Dias depois, o laudo confirmou o pior: ela não andaria mais e a avó, riquíssima, coitada, foi até parar no hospital com essa péssima notícia... Enquanto isso, o pai, juntamente com um amigo, vive viajando para o Paraguai... E haja luxo e grana preta. BUUUMMM!!! Falei aos berros e já estou correndo, mas, qualquer novidade, voltarei para atualizar você, gentalha!

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR - Você teria levado essa criança a um atendimento médico público? 

ATÉ BREVE! E DE LEVE...

Você não sabe quem sou eu, mas Euzinha sei tudo sobre você!

(*) Colaborador que só escreve fake news (notícias falsas).


Mais da Gazeta