Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

GENTE PENSANTE 

GENTE PENSANTE

       Bié Barbosa


GENTE PENSANTE 
BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!


Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1909 abaixo: 

QUANDO A LUZ NO FIM DO TUNEL NÃO PASSA DE UM BREU SEM FIM...

Naquela noite, quando o homem das letras entrou em sua casa, três horas mais tarde do que deveria ser o habitual, encontrou, na cozinha, a visita sempre querida e esperada de um quase filho. Ele estava acabando de ler uma matéria publicada em jornal sobre o triste autoextermínio de um amigo, profissional competente, filho, marido e pai de adolescentes. Como o homem das letras já tinha lido a matéria, comentou:

- Triste demais, não?

O quase filho respondeu:

- Quer saber a verdade? Não acho não!

- Como assim? Não acha não? Difícil demais! Você não gostava dele?

- Não, não é isso. Independentemente de ter sido ele ou outra pessoa, o que eu acho normal é alguém tirar a própria vida...

O homem das letras não gostou do que ouviu e respondeu:

- Tirar a própria vida não é coisa de Deus! Tenho certeza de que ele não faria isso, se estivesse no normal de suas faculdades mentais...

O quase filho respondeu, após breve silêncio:

- Não penso assim. Acho, na verdade, que é, antes de tudo, um ato de coragem! No mais, é direito de cada pessoa definir como quer que seja o fim de sua vida.

- Às vezes, penso que você não acredita em Deus, nem em vida depois da

morte...

- Respeito que você acredite nisso, piamente, mas eu sinceramente, não acredito nem em uma, nem em outra coisa.

O homem das letras deu as costas para o quase filho e começou a preparar o seu lanche, dizendo com certa irritação na voz:

- Acho melhor a gente parar por aqui com este papo...

- Não, espera aí. Vamos concluir essa conversa, mesmo que os nossos pensamentos sejam tão divergentes. Não é assim que você gosta? Gostaria apenas que você pensasse ou entendesse que a vida para ele perdeu totalmente o sentido... Não houve outra saída, mas acredito que ele não queria se matar. Queria apenas eliminar a dor insuportável que ele deveria estar sentindo... Será que você percebe o que isso significa? A vida, realmente, não tem mesmo muito sentido... É angustiante demais passar a vida nos perguntando de onde viemos, quem somos e para onde vamos, sem nunca conseguir encontrar uma resposta concreta... Acho estranho demais pensar que tantos milhares de anos já se passaram e ninguém, até hoje, conseguiu dar uma resposta definitiva para essas duas questões! As, que existem são apenas crenças e suposições... 

E você o que pensa sobre essa coisa tão avassaladora chamada autoextermínio?

UMA BOA LEITURA!

* EM TEMPO - * Na edição anterior a esta, onde se lê só viam e viam só nuvens alvas, favor ler SÓ VIAM NUVENS ALVAS; * onde se lê quando um ou outro deles achava que estava conseguindo sair, despencavam, favor ler DESPENCAVA; e * onde se lê fora isso, as mentes se distraíram um pouco ao fazerem... favor ler  AO FAZER. Pedem-se desculpas pelos erros de digitação.


O editor GP escreve mais uma crônica: QUANDO NADA PREENCHE O BURACO EXISTENTE NO PEITO


Mais da Gazeta