Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Deputados

APROVADO RELATÓRIO QUE DISPENSA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL PARA REVENDA DE CARRO 


A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou relatório do deputado federal Eduardo Barbosa favorável ao Projeto de Lei nº 5152/2019, que Altera a Lei nº 13.146/15 (Estatuto da Pessoa com Deficiência) para dispensar de autorização judicial a revenda de automóveis adquiridos por intermédio de representantes legais de crianças e adolescentes com deficiência. Atualmente, esses veículos podem ser adquiridos em nome de menor com isenção de impostos. Contudo, dependendo do Estado, alguns órgãos de trânsito exigem a autorização judicial para realizar o registro da alienação. De acordo com o deputado, já existem decisões judiciais dispensando a chancela do juiz. Para resolver o impasse, Eduardo Barbosa apresentou um substitutivo modificando a Lei nº 8.989, de 24 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre a isenção do IPI - Imposto sobre Produtos Industrializados, acrescentando inciso que autoriza pai ou mãe de criança ou adolescente com deficiência adquirirem veículo com isenção de IPI. De acordo com o deputado, dispensar o tutor da autorização judicial seria uma medida excessiva, pois alguns tutores possuem grau mais distante de parentesco, o que impõe maior cuidado na administração dos bens do pupilo com deficiência. O projeto irá tramitar agora nas Comissões dos Direitos das Pessoas com Deficiência e de Constituição e Justiça e de Cidadania, sendo sua apreciação conclusiva nas Comissões, ou seja, não será analisado pelo Plenário da Câmara.


Mais da Gazeta